2004-03-17

Subject: União acorda em protecção aos cetáceos

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

União acorda em protecção aos cetáceos

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Os países da União Europeia estão prestes a chegar a acordo sobre a implementação de medidas de protecção que salvem a vida dos milhares de golfinhos capturados acidentalmente em redes de pesca. 

As propostas, que obrigam aos pescadores a instalar dispositivos sonoros nos barcos para afastar os mamíferos marinhos, deve ser aprovada esta semana numa reunião de ministros das pescas em Bruxelas. 

Estas regras deverão aplicar-se aos pescadores no mar Báltico, mar do Norte, canal da Mancha e outras zonas da costa norte e ocidental europeia, apesar de alguns países buscarem isenção para algumas áreas e para embarcações pequenas, devido aos elevados custos de instalação do equipamento. De acordo com estimativas inglesas, os dispositivos podem custar até 6000 euros por barco e necessitarão de ser renovados a cada 18 meses. 

Apesar destes custos, muitas organizações pesqueiras apoiaram a proposta. Pode-se considerar um desastre apanhar um golfinho: perde-se a pesca que interessava e danifica-se o equipamento, explica Hamish Morrison, da Scottish Fisherman's Federation. Além disso, muitos pescadores têm grande admiração e carinho pelos golfinhos, considerados as almas de marinheiros afogados, concluiu. 

Fundos comunitários podem vir a ser usados para ajudar as organizações pesqueiras a suportar os custos de instalação do equipamento acústico. 

As novas regras vão também obrigar à proibição faseada das redes de arrasto no mar Báltico, depois de já terem sido banidas pelo perigo de afogamento que representam para os mamíferos marinhos. No entanto, algumas nações bálticas querem um adiamento da aplicação destas regras, nomeadamente a Lituânia, Polónia, Letónia e Estónia, que deverão entrar para a União em Maio deste ano, devido ao impacto que terá nas suas frotas.

Em todo o mundo, mais de 300000 baleias, golfinhos e outros mamíferos marinhos morrem nas redes de pesca, de acordo com estudos anteriormente publicados. Antes da introdução de dispositivos sonoros nas suas redes em 2000, só na Dinamarca morriam por ano 6000 golfinhos. 

Um problema já detectado é que os sons que afastam cetáceos das redes têm um efeito contrário em algumas espécies de foca. Esta tecnologia ainda necessita de ajustamentos, pois parece que actua como uma espécie de sineta para o jantar para as focas, diz Morrison. 

A União também planeia colocar observadores em barcos seleccionados, para garantir que os comandantes respeitam as regras. O desrespeito pela proibição do uso de redes de arrasto no Mediterrâneo custa a vida de 4000 golfinhos por ano, segundo estimativas da WWF. 

 

Outras Notícias:

Tigre de Sumatra à beira da extinção

 

A young Sumatran tiger is seen at the Ragunan Zoo in Jakarta, Indonesia, March 16, 2004. (Darren Whiteside/Reuters)Um importante grupo conservacionista alertou para a eminente extinção do exótico tigre de Sumatra, se o governo da Indonésia não tomar medidas sérias para eliminar o comércio ilegal de espécies ameaçadas. 

O WWF refere que apenas 400 a 500 tigres restam na ilha de Sumatra, enquanto os caçadores continuam a abate-lo, comercialmente ou por desporto. 

Os tigres estão sob forte ameaça em todo mundo, devido à caça ilegal, perda de habitat e conflito com as populações humanas, mas agora o tigre de Sumatra está no limiar da extinção, explica Susan Lieberman, directora do WWF. Restam, tão poucos, que existem sérias dúvidas de que a população ainda seja viável. 

As peles, garras e dentes de tigre são largamente vendidas na Indonésia, como troféus, encantamentos e recordações, relata o WWF no seu relatório. Investigadores do grupo associado do WWF, TRAFFIC, que combate a caça ilegal, encontrou produtos derivados de tigre em 17 das 24 cidades investigadas e em 20% das lojas visitadas na Indonésia. 

Anteriormente, outras duas subespécies de tigre indonésias, o tigre de Bali e o tigre de Java, já se extinguiram, por volta dos anos 40 e 80, respectivamente, do século passado.

 

 

Saber mais: 

Ameaça das redes de pesca no Mediterrâneo

Mamíferos marinhos vítimas da guerra ao "eixo do mal"

WWF

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com