2009-05-31

Subject: Dinossauros mantinham a cabeça levantada?

 

Dinossauros mantinham a cabeça levantada?

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

Diplodocus (NHM)

O impressionante pescoço do Diplodocus estende-se ao longo do átrio principal do Museu de História Natural de Londres, dando as boas vindas aos visitantes, e agora descobertas sugerem que há 150 milhões de anos, o gigante pode ter mantido a cabeça ainda mais alta a maior parte do tempo.

Ao estudar os esqueletos de vertebrados vivos, Mike Taylor, da Universidade de Portsmouth, alterou a posição de repouso do dinossauro mas há mais de uma maneira de montar um esqueleto de dinossauro e mais de uma teoria para a posição dos saurópodes.

Taylor diz que não tem intenção de sugerir aos museus que alterem a posição dos esqueletos de saurópodes de pescoço longo, da posição mais ou menos horizontal actual para uma postura mais vertical. "O Diplodocus no átrio principal do Museu de História Natural está perfeitamente bem, é apenas uma das muitas posições e movimentos que consideramos perfeitamente possíveis."

Mas depois de estudar raios-X dos membros de 10 grupos diferentes de vertebrados, Taylor está convencido que quando não estavam a beber os saurópodes mantinham as cabeças bem levantadas, como as girafas actuais, mas atingindo alturas de 15 metros acima do solo.

Taylor descobriu que os pescoços dos mamíferos e das aves, os únicos grupos modernos que partilham a postura de patas direitas localizadas sob o corpo dos dinossauros, são "fortemente inclinados" para a vertical. "A nossa abordagem foi embaraçosamente directa, estudámos animais reais e analisámos o animal como um todo."

Os ossos apenas são capazes de fornecer alguma informação, explica ele, e o tecido mole dos enormes pescoços dos animais podia "permitir uma maior flexibilidade do que apenas os ossos dão a entender".

 

Algumas das primeiras reconstituições dos esqueletos de saurópodes, feitas no final do século XIX e início do século XX, colocaram os pescoços na posição vertical, logo a ideia não é nova. "Só muito recentemente é que esta ideia mudou", diz Taylor. "Mas podemos estar confiantes de que eles mantinham a cabeça bem levantada."

Muitos cientistas, no entanto, ainda mantêm uma visão mais horizontal e num artigo recentemente publicado pelo australiano Roger Seymour na revista Biology Letters, foi-se ainda mais longe.

Sugeria-se que os animais na realidade não seriam capazes de levantar as cabeças para comer folhas de árvores altas porque isso colocaria os seus cérebros tão acima do coração que a pressão sanguínea teria que ser elevada a um nível perigoso e possivelmente letal. 

Mas Taylor não fica demovido com este argumento. "Existem animais vivos em que o coração é capaz de exercer pressão muito mais elevada do que as equações de Seymour prevêem ser possível. Não vejo porque isso não poderia ser verdade também para os saurópodes."

Paul Barrett, paleontólogo do Museu de História Natural de Londres, pensa que os saurópodes deviam ser capazes de levantar a cabeça alto mas permanece não convencido de que essa seria a sua posição de repouso. "Isso requereria muita actividade muscular e muito esforço por parte do coração."

Barrett explica que, visto que é impossível saber como as espessas almofadas de tecido conjuntivo entre as vértebras do dinossauro estavam dispostas, é difícil estimar qual o papel deste tecido, juntamente com os músculos e tendões, desempenhavam no alcance dos movimentos do animal. "Os saurópodes são animais muito bizarros, não há nenhuma animal vivo construído da mesma forma."

Por isso, ainda que o estudo do esqueleto de animais vivos seja muito valioso, acrescenta ele, "encontrar um modelo que explique a biologia destes animais não é assim tão fácil". 

 

 

Saber mais:

Museu de História Natural

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com