2009-05-26

Subject: Gralhas-calvas revelam espantosa perícia com ferramentas

 

Gralhas-calvas revelam espantosa perícia com ferramentas

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

(Christopher Bird)As gralhas-calvas Corvus frugilegus têm uma apetência espantosa pela utilização de ferramentas, descobriram os cientistas.

Testes feitos com aves cativas revelaram que estas aves da família dos corvos são capazes de conceber e empregar ferramentas para resolver uma série de diferentes problemas.

As descobertas, publicadas na última edição da revista Proceedings of the National Academy of Sciences, foram uma verdadeira surpresa pois não se sabe que as gralhas-calvas utilizem ferramentas na natureza.

Apesar disso, a equipa de investigadores ingleses refere que as capacidades destas aves rivalizam com as de conhecidos utilizadores de ferramentas, como os chimpanzés ou os corvos da Nova Caledónia. Nathan Emery, da Queen Mary, Universidade de Londres e autor do estudo, comenta: "O estudo mostra a criatividade e a visão que as gralhas-calvas têm quando resolvem os problemas."

Os cientistas focaram-se em quatro gralhas-calvas cativas, baptizadas Cook, Fry, Connelly e Monroe, e descobriram que as aves eram capazes de usar ferramentas de variadas formas, de modo a resolver uma série de problemas.

Por exemplo, foi apresentado às aves um tubo vertical, que seguia até uma portinhola com uma lagarta colocada fora do alcance, bem como uma série de pedras de diversos tamanhos. Os cientistas descobriram que as gralhas-calvas seleccionavam a pedra maior, que era suficientemente forte para abrir a portinhola quando caía, permitindo-lhes alcançar o petisco.

Quando eram apresentadas pedras de diferentes formatos, algumas que cabiam no tubo e outras que não, as gralhas-calvas optaram pela ferramenta que lhes dava acesso à lagarta.

O autor principal do estudo Christopher Bird, da Universidade de Cambridge, refere: "Descobrimos que as aves são capazes de seleccionar as ferramentas apropriadas a partir de uma variedade de ferramentas apresentadas e revelam flexibilidade no tipo de ferramenta que utilizam."

Os investigadores também descobriram que as gralhas-calvas são capazes de utilizar duas ferramentas em sucessão, algo descrito como utilização de metaferramentas.

Os investigadores ofereceram às aves uma pedra de grande dimensão e dois tubos verticais, um largo com uma pequena pedra na portinhola do fundo e um outro tubo fino contendo uma lagarta na portinhola do fundo. Descobriram que as gralhas-calvas deixavam cair a pedra grande no tubo largo em primeiro lugar, para obter a pedra mais pequena, e depois deixavam cair esta última no tubo fino para obter o petisco.

Até agora, a utilização de metaferramentas apenas tinha sido observado em grandes símios e em corvos da Nova Caledónia.

Talvez ainda mais surpreendente foi o facto de a equipa também ter revelado que as gralhas-calvas conseguem modificar e criar novas ferramentas. As aves dobravam um pedaço de fio direito de maneira a formar um gancho para puxarem um balde cheio de comida do fundo de um poço vertical.

 

Até agora, este comportamento de fabrico de ferramentas novas só tinha sido registado num único corvo da Nova Caledónia chamado Betty mas neste estudo três das gralhas-calvas criaram espontaneamente o gancho no seu primeiro teste. Bird refere: "Foi uma enorme surpresa descobrir que as gralhas-calvas podiam utilizar ferramentas, pois não o fazem na natureza."

Tanto as gralhas-calvas como os corvos da Nova Caledónia pertencem à família dos corvídeos, um grupo de aves famoso pelo seu comportamento inteligente. No entanto, até agora, pensava-se que a utilização sofisticada de ferramentas estava limitada aos corvos da Nova Caledónia, uma espécie que se encontra na ilha com o mesmo nome do Pacífico, que utiliza ferramentas na natureza, criando-as para recolher lagartas de orifícios.

Bird diz: "A utilização de ferramentas é provavelmente muito importante para estes corvos devido à sua ecologia, obtém uma grande proporção das proteínas de que necessitam a partir destas lagartas. Foi sugerido que a utilização de ferramentas é uma característica única a essa espécie e que terá evoluído devido a pressões ecológicas."

Mas a descoberta de que as gralhas-calvas podem utilizar ferramentas coloca questões acerca da verdadeira razão porque esta habilidade especial poderá ter surgido.

"As gralhas-calvas não estão sujeitas às mesmas pressões ecológicas que os corvos da Nova Caledónia. Na natureza não precisam de ferramentas, têm acesso a muitas outras fontes de alimento, como carniça, lixo humano ou sementes agrícolas, por exemplo", diz Bird.

Os investigadores consideram que isso pode significar que um ancestral antigo dos corvídeos pode ter desenvolvido esta capacidade de utilizar ferramentas e uma compreensão complexa das propriedades físicas dos materiais.

Emery comenta: "Dado que não utilizam ferramentas na natureza, a questão é porque terão eles desenvolvido a capacidade de usar ferramentas em laboratório e compreender as propriedades desses objectos como ferramentas? Será uma forma de inteligência genérica que foi adaptada à utilização de ferramentas?"

Os investigadores consideram que a descoberta coloca a possibilidade de outras espécies de corvídeos poderem ter também a capacidade inata de utilizar ferramentas. 

 

 

Saber mais:

Vídeo - selecção da ferramenta adequada por gralhas-calvas

Vídeo - utilização de metaferramentas por gralhas-calvas

Vídeo - gralhas-calvas criam nova ferramenta

Os corvos mais inteligentes optam por duas ferramentas

Corvos no topo da escala de QI das aves

Corvos mudam de lado para usar ferramentas

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com