2009-05-24

Subject: Objectivos de protecção das florestas não serão alcançados

 

Objectivos de protecção das florestas não serão alcançados

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

Não estão a ser feitos esforços suficientes para proteger 10% das florestas mundiais até 2010, como tinha sido acordado sob a Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB), revela uma nova análise.

O estudo é a primeira tentativa para perceber que parte dos 20 tipos principais de floresta do mundo está salvaguardada. Revelou que apenas 7,7% está actualmente protegida segundo as categorias estabelecidas pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), sediada em Gland, Suíça. O trabalho baseia-se na definição de floresta da Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas: uma zona de terra com mais de 0,5 hectare e mais de 10% de coberto de copa.

"Segundo a nossa análise, os objectivos da CDB não vão ser atingidos", diz Neil Burgess, perito em conservação na Universidade de Cambridge, e um dos autores do estudo.

O objectivo de 10% da CDB foi acordado por 191 países, excluindo os Estados Unidos, em 2004. Apesar de 7,7% ser "razoavelmente bom", diz Burgess, os signatários concordaram em 10% "porque se pensou que esse nível de protecção era necessário para a conservação da biodiversidade". Agora que se reconhece que a protecção das florestas também é importante para os esforços de estabilização as alterações climáticas, "falharmos este objectivo pode ser ainda pior para a estabilização do clima do que para a biodiversidade".

O estudo descobriu que o nível de protecção dada a diferentes tipos de floresta varia muito, desde 3,2% para as florestas temperadas pantanosas de água doce até 28% para as florestas temperadas de folha larga.

A análise também focou o nível de protecção dada às florestas nas 825 ecoregiões do mundo, definidas pela organização conservacionista WWF como zonas que contêm grupos de comunidades naturais geograficamente distintas que partilhem muitas das suas espécies e condições ambientais semelhantes e interajam ecologicamente de formas importantes para a sua sobrevivência a longo prazo. 

Os autores também incluem os 34 'pontos quentes de biodiversidade' identificados pela Conservation International (CI), uma organização não governamental sediada em Arlington, Virginia. Subdividir os tipos de floresta em ecoregiões é útil porque "as florestas húmidas do Brasil contêm espécies diferentes das do Congo", diz Burgess.

O estudo descobriu que 65% das ecoregiões têm menos de 10% das suas florestas protegidas. O maior nível de protecção, mais de 50% da floresta protegida, encontra-se em ecoregiões que ocupam parte da Amazónia, sudoeste asiático e Alasca.

 

A equipa também estabeleceu que, em média, 10,2% das florestas em zonas consideradas pontos quentes de biodiversidade pela CI estavam protegidas mas algumas zonas melhor que outras. Por exemplo, cerca de 7% das florestas da Guiné na África ocidental estavam protegidas, enquanto 17,7% das florestas das montanhas da Ásia central estão protegidas.

Burgess diz que são "boas notícias" que muitas das zonas importantes a nível de biodiversidade estão a ser protegidas a um nível acima do objectivo dos 10%.

O grupo usou dados de um mapa existente, publicado em 2000, do coberto florestal global feito pelo Centro de Análise da Conservação Mundial do Programa Ambiental das Nações Unidas em Cambridge, Reino Unido. Os investigadores actualizaram o mapa com dados de satélite recolhidos em 2005.

John Healy, ecologista florestal da Universidade de Gales, Bangor, diz que o estudo é importante porque analisa a protecção à floresta em ecoregiões e por tipo de floresta e não apenas por coberto florestal total. "O estudo é muito mais significativo do ponto de vista biogeográfico e ecológico do que os estudos anteriores. Mas na realidade não sabemos se o estatuto de protecção está a ser aplicado no terreno."

Lauren Coad, cientista florestal do Instituto de Alterações Ambientais da Universidade de Oxford, e outra autora do estudo, diz que o objectivo de 10% é "arbitrário mas politicamente importante". "As pessoas precisam de ter uma meta em que se focar, vai galvanizá-las para a acção." 

 

 

Saber mais:

Convention on Biological Diversity

Árvores moribundas podem exacerbar alterações climáticas

Ano crucial para as florestas mundiais

Florestas mundiais enfrentam tempos difíceis

Metas relativas à natureza não vão ser cumpridas

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com