2009-05-16

Subject: A planta que se rega a si própria 

 

A planta que se rega a si própria 

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

Rheum palaestinumNos desertos de Israel existe uma planta, uma espécie de ruibarbo, que se rega a si própria. 

Tem folhas especializadas que canalizam a água da chuva para as suas raízes, o que a torna a única planta no mundo a ser capaz de se auto-irrigar.

A adaptação permite ao ruibarbo florescer em condições áridas por ser capaz de recolher até 16 vezes mais água que as outras plantas da região, dizem os cientistas que publicaram os detalhes da descoberta na última edição da Naturwissenschaften.

Simcha Lev-Yadun, Gadi Katzir e Gidi Ne'eman, todos da Universidade de Haifa, Israel, aperceberam-se das particularidades do ruibarbo do deserto pela primeira vez quando estudavam os desertos montanhosos do país.

Uma planta rara mas popular entre os apreciadores da natureza e ecologistas, aguçou a curiosidade dos investigadores sobre as possíveis vantagens das folhas excepcionalmente grande em forma de roseta do ruibarbo, que diferem marcadamente das pequenas folhas da maioria das plantas do deserto.

A morfologia das folhas parece semelhante à das regiões montanhosas em que vivem, que drenam água das encostas para os vales. "Foi isso que incendiou a nossa imaginação", diz Simcha Lev-Yadun.

O seu estudo do ruibarbo do deserto Rheum palaestinum que cresce no deserto do Negev mostrou que cada planta recolhe, tipicamente, 4,2 litros de água por ano, mas a maior que foi encontrada recolheu 43,8 litros.

Depressões fundas nas folhas do ruibarbo canalizam a água ao longo das nervuras das folhas, que estão orientadas para a base. As folhas são cobertas por uma cutícula cerosa que repele a água, ajudando-a a fluir sobre a superfície das folhas.

 

A chuva é tão escassa na zona que apenas recebe, em média, 75 mm de precipitação por ano. No entanto, mesmo com a menor quantidade de chuva, a água flui pelas folhas do ruibarbo abaixo até à raiz principal.

Testes complementares mostraram que esta água penetra no solo até profundidades de 10 cm, ajudando a irrigar a planta. Essa é uma profundidade dez vezes maior do que quando a chuva cai normalmente no solo do deserto.

"Em média, as folhas da planta permitem-lhe recolher dezasseis vezes mais água do que as restantes plantas do deserto da região", diz Lev-Yadun. Isso significa que recolhe uma quantidade de água semelhante à das plantas que vivem em climas mediterrânicos, explica ele.

"Temos a certeza que se trata de uma planta única nos desertos do médio-oriente", diz Lev-Yadun. "E também não conhecemos nada semelhante nos restantes desertos do mundo." 

 

 

Saber mais:

Naturwissenschaften

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com