2009-05-09

Subject: Casos americanos de gripe suína analisados

 

Casos americanos de gripe suína analisados 

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

A última análise dos primeiros 642 casos humanos confirmados de gripe suína nos Estados Unidos revelou algumas pistas sobre a distribuição do vírus no país, a susceptibilidade dos diferentes grupos etários e os sintomas da doença.

O estudo, conduzido pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) em Atlanta, seguiu o vírus, oficialmente conhecido por gripe A (H1N1), entre 15 de Abril e 15 de Maio, período em que se espalhou por 41 estados.

Em Nova Iorque foram confirmados 80 casos, o segundo número mais elevado de incidentes dos 41 estados, e não houve casos registados no Distrito de Colúmbia, revela o estudo.

O estudo, liderado por Fatimah Dawood do Serviço de Vigilância de Epidemias do CDC, foi publicado na última edição da revista The New England Journal of Medicine.

A maior proporção de pacientes (60%) infectados com o vírus tinham 18 anos ou menos e apenas 5% tinham mais de 50 anos de idade. O estudo apresenta várias sugestões para explicar esta situação, incluindo que as crianças e os jovens adultos podem ser mais susceptíveis à infecção que os mais velhos ou que a transmissão para os mais velhos tem sido mais lenta porque eles contactam com menos pessoas.

Os dados clínicos foram obtidos para 295 e 397 pacientes. O estudo relata que os sintomas mais comuns eram febre e tosse, que são os mesmos da gripe sazonal. Dos 394 pacientes, 371 tiveram febre e 365 tinham tosse mas outros sintomas incluem diarreia, que 82 de 323 tiveram, e vómitos, que 74 de 295 pacientes apresentaram. nenhum destes sintomas é típico da gripe sazonal.

O estudo diz que o modo como o vírus se propaga entre humanos ainda não é conhecido. Dado que muitos pacientes tiveram diarreia, o potencial para o vírus se espalhar através das fezes deve ser considerado e investigado, ainda que o estudo refira que se suspeita que o vírus possa ser transmitido através de partículas produzidas pelos espirros.

 

"Até termos mais dados disponíveis, todas as potenciais rotas de transmissão e fontes de vírus devem ser consideradas", pode ler-se no artigo.

Dos 399 pacientes de quem havia informação disponível, 36 precisaram de ser hospitalizados e dos 22 de quem se tinha dados hospitalares, 8 tiveram que ser tratados na Unidade de Cuidados Intensivos. Quatro pacientes tiveram falhas respiratórias agudas exigindo ventilação mecânica e 7 tinham viajado para o México nos 7 dias anteriores da doença surgir. 

A 5 de Maio, 18 dos 22 pacientes tinham recuperado, dois mantinham-se criticamente doentes (uma criança com 23 meses e uma mulher de 30 anos) ambos saudáveis antes da infecção. Dois outros morreram devido à doença.

Actualmente, o CDC relata a presença de 896 casos do vírus nos Estados Unidos, com duas mortes, e 2384 casos em todo o mundo, com 44 mortes confirmadamente atribuídas ao vírus no total.

John McCauley, virologista do Instituto Nacional de Investigação Médica do Reino Unido, refere que os números sobre distribuição etária são um dos factores mais importantes a analisar. Se o grupo etário com mais de 50 anos apresenta sintomas mais benignos, isso pode sugerir que eles podem ter desenvolvido alguma resistência a outras estirpes de gripe suína que estão em circulação desde a década de 50. "Mas pode haver outras razões para esta distribuição etária peculiar, nomeadamente o facto de os mais idosos contactarem com menos gente." 

 

 

Saber mais:

Qual a gravidade do surto de H1N1?

Testes com H1N1 têm início no Reino Unido

Surto de gripe dos porcos corre o mundo

Governos unidos para conter surto de gripe

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com