2009-04-28

Subject: Surto de gripe dos porcos corre o mundo

 

Surto de gripe dos porcos corre o mundo

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

O mundo está a preparar-se para a possibilidade da eminência de uma pandemia de gripe, não do temido vírus da gripe das aves H5N1 que se propagou pela Ásia, Europa e África desde 2003, mas de uma nova estirpe de H1N1 de gripe suína cujo salto para o Homem foi oficialmente confirmado na semana passada.

Os investigadores estão a lutar para perceber melhor a evolução e a propagação do novo vírus mas a sua composição genética é algo nunca visto: uma estirpe H1N1 suína que combina um sortido triplo identificado pela primeira vez em 1998, incluindo gripe humana, suína e aviária, com dos genes do vírus de porco H3N2 originários da Eurásia, eles próprios com origem recente humana.

"Tem-se misturado com tudo e por isso a sua genética é muito complicada", diz John McCauley, virulogista do Instituto Nacional de Investigação Médica de Londres. "Onde raio foi buscar todos estes genes não sabemos", diz Robert Webster, virulogista do Hospital de Investigação St Jude de Memphis, Tennessee. "Mas é realmente um vírus super-misturado."

A maioria das questões mais importantes acerca do vírus permanecem desconhecidas, incluindo as suas taxas de virulência e mortalidade. Até agora só no México suspeita-se de 1600 casos com perto de duzentas mortes suspeitas, mas há casos por todo o mundo. A Casa Branca e a Organização Mundial de Saúde (OMS) declararam o surto de gripe uma emergência de saúde pública. A OMS já elevou o grau de ameaça de fase 3 para fase 4, numa escala onde 6 representa uma pandemia em força.

O vírus parece ser capaz de se propagar facilmente de pessoa para pessoa. "O mais assustador é que o vírus parece ser enormemente transmissível", diz Webster. A propagação temporal e geográfica de casos que não envolveram contacto com porcos deixa os investigadores com poucas dúvidas que a transmissão sustentada humano a humano está em curso.

O vírus parece ter chegado ao México em meados de Março, foi identificado quando as autoridades mexicanas enviaram amostras de um paciente com gripe que não correspondia aos subtipos conhecidos para a Agência de Saúde Pública do Canadá. O Centro de Controlo de Doenças americano anunciou a existência do vírus a 23 de Abril.

A genético do novo vírus é tão nova para os humanos que pouco provável que exista qualquer tipo de imunidade para além da mediada por células. A vacina actual contra a gripe sazonal, que tem como alvo uma estirpe diferente do H1N1 também não deve oferecer protecção. Para já a gripe é tratável com os medicamentos anti-gripe como o oseltamivir (Tamiflu) e o zanamivir (Relenza).

 

Até agora, os casos fora do México parecem ter sido relativamente suaves mas Tashiro Masato, virulogista do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas de Tóquio, alerta contra conclusões com base nesses casos. Ele salienta que a amostra é demasiado pequena por enquanto e se as taxas de transmissão se revelarem altas, taxas de mortalidade de alguns por cento pode levar a milhões de mortes, como no caso da mortal pandemia de 1918.

O novo vírus, no entanto, não atinge as taxas de mortalidade do H5N1 que foram em média 63% globalmente e chegaram a 82% na Indonésia. Mesmo assim, "o risco e a ameaça do H5N1 permanece igual", alerta Masato.

Epidemiologistas estão a aplaudir a velocidade e a resposta ao surto de gripe suína desde que foi formalmente identificada na semana passada, apesar dos sistemas de vigilância de doenças mexicano e internacional terem falhado na sua detecção no início. Essa rapidez é atribuída ao planeamento feito pela comunidade internacional desde a ameaça do H5N1. As sequências genéticas das amostras do vírus, por exemplo, foram imediatamente partilhadas na base de dados Global Initiative on Sharing Avian Influenza Data (GISAID).

Os virologistas pensam que isto pode ser uma maratona. "Será que isto vai esmorecer? Não me parece", diz McCauley. "Para mim é tempo de começar a por em prática os planos nacionais para as pandemias, é preciso agir já." 

 

 

Saber mais:

OMS - gripe suína

Governos unidos para conter surto de gripe

O que aconteceu à gripe das aves?

Preocupação ressurge com a morte de macacos por acção do vírus da gripe de 1918

Estudo sobre vírus aumenta receios de pandemia

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com