2004-03-11

Subject: Tigre salvo dos caçadores furtivos

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Tigre salvo dos caçadores furtivos

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Um tigre da Sibéria, um dos felinos mais ameaçados do mundo, foi salvo de uma armadilha de caçadores furtivos e libertado. O tigre, um macho, foi descoberto por dois estudantes que alertaram cientistas americanos e russos para o seu sofrimento. 

Antes da sua libertação, foi-lhe colocada uma coleira emissora, de forma a poder ser seguido enquanto vagueia pela floresta onde cresceu. 

Pensa-se que apenas restem 400 tigres da Sibéria na natureza, sendo a caça ilegal pelas suas peles e partes do seu corpo a maior ameaça que enfrentam. 

O animal salvo, com uma idade estimada de 8 a 10 anos, foi encontrado por estudantes que passeavam na floresta, na semana passada. Ao ouvirem os seus rugidos de aflição, aproximaram-se e foram encontrá-lo com o arame da armadilha em volta do corpo. 

Após alertarem os guardas florestais d e uma cabina a alguns quilómetros de distância, foi dado o alerta para o Ministério dos Recursos Naturais russo e para cientistas da Wildlife Conservation Society, baseada no zoo de Bronx em Nova York. 

O grupo de resgate anestesiou o animal, que parecia não ter mais que abrasões na pele, foi levado para uma zona de detenção onde se confirmou que não havia ferimentos internos. Colocaram-lhe um colar emissor que permite aos cientistas do WCS seguirem-no, como parte de um estudo a longo prazo para proteger os tigres. 

John Goodrich do WCS refere que a libertação foi bem sucedida, o tigre saltou da sua jaula menos de um minuto após esta ter sido aberta. Percorreu com grandes saltos 20 metros até à orla da floresta, parou, olhou para trás e rugiu, antes de se afastar calmamente para a floresta. 

Pensa-se que em 1990 existiriam cerca de 100000 tigres, desde o sudeste asiático e a Turquia. Os conservacionistas acreditam que o seu efectivo caiu mais de 90% desde então, restando entre 5 e 7000 animais na natureza. Nesse mesmo período de tempo, 3 subespécies foram dadas como extintas, os tigres de Java, Bali e do Cáspio. 

O tigre do sul da China está reduzido a 20 a 30 animais, sendo o tigre da Sibéria (também conhecido por tigre de Amur pois vive na China, Coreia do Norte e leste da Rússia) o seguinte da lista dos criticamente ameaçados. Os caçadores furtivos vendem partes do seu corpo para utilização na medicina tradicional chinesa, e as peles atingem sempre preços elevados. 

 

Outras Notícias:

Cientistas fazem borboleta brilhar

 

Uma borboleta africana geneticamente modificada brilha verde no escuro, como parte de um projecto que tenta compreender a emergência de padrões no seu desenvolvimento. Muito pouco se sabe acerca da base genética para a diversidade de padrões e cores das asas das borboletas. 

Esta é uma forma de descobrir esses genes e testar o seu desenvolvimento, explica a doutora Antónia Monteiro da State University de Nova York (SUNY). 

Os investigadores usaram um técnica designada por transformação da linha germinal, para inserir um gene marcador que codifica para a produção de uma proteína verde fluorescente com origem em alforrecas. Inseriram este gene marcador em ovos da borboleta africana Bicyclus anynana.

Esta inserção origina borboletas mutantes com o gene da florescência inserido em diferentes partes do seu genoma, permitindo aos cientistas estudar a expressão destas mutações quando os insectos atingem a maturidade. 

A doutora Monteiro considera que o padrão em forma de olhos nas asas destas borboletas tem como função confundir os predadores acerca da localização da cabeça.  As aves atacam quase sempre a cabeça das borboletas, mas se forem enganadas a atacar as pontas das asas, os insectos terão uma maior probabilidade de sobrevivência. 

A selecção sexual, a interacção com predadores, termorregulação, entre outros factores, determinarão a evolução de tal padrão das asas, com este estudo talvez possamos perceber como tal se passa, conclui Monteiro. 

 

 

Saber mais: 

Wildlife Conservation Society

Tiger Missing Link Foundation

Tiger Information Centre

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com