2004-03-06

Subject: Cães pastores ajudam a proteger chitas

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Cães pastores ajudam a proteger chitas

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

O poder local da Namíbia permite aos agricultores e criadores de gado colocar armadilhas e matar predadores, mesmo que se tratem de espécies protegidas como as chitas, se o seu gado estiver sob ameaça. Os criadores consideram essas medidas necessárias pois as chitas podem rapidamente matar dezenas de cabeças de gado em cercados sem guarda, conhecidos por kraals.

Há 20 anos os criadores de gado namibianos abatiam entre 800 e 900 chitas anualmente, segundo Laurie Marker, uma bióloga americana que se mudou para o país em 1990. Actualmente, as estimativas apontam para 200 chitas mortas por ano, graças ao seu programa de cães pastores e esforços educacionais. 

Perita em chitas, Marker visitou a Namíbia pela primeira vez em 1977, para estudar se uma chita criada em cativeiro nos Estados Unidos poderia caçar na natureza. Foi nessa altura que se apercebeu da ameaça que chitas e criadores de gado eram uns para os outros. 

A Namíbia é o lar de cerca de 3000 chitas, mais do que qualquer outro país no mundo. Esse número representa cerca de 1/4 da população total mundial, o que torna o país um dos últimos refúgios da espécie altamente ameaçada. 

Marker descobriu que muitas chitas são mortas como medida preventiva, uma prática passada de geração em geração pelos criadores de gado. Como estes felinos são diurnos e não agressivos para o Homem, são alvos fáceis. 

Apercebendo-se do declínio das chitas, em 1990, Marker decidiu alterar a sua abordagem ao estudo destes felinos. Mudou-se para a Namíbia e fundou a Cheetah Conservation Fund (CCF), um centro de investigação e educação, clínica veterinária e quinta, tudo sem fins lucrativos. 

No início, muitos criadores de gado se perguntaram o que andaria a fazer aqui, refere Marker, fazendo comentários do tipo "se gosta tanto de chitas, leve-as todas de volta para os Estados Unidos consigo". 

Mas Marker e as chitas estão para ficar. O seu trabalho começou com entrevistas aos criadores de gado, sobre o seu trabalho e os problemas que tinham com os predadores, com o objectivo de desenvolver um programa que beneficiasse toda a comunidade. 

 

Alguns dos criadores tinham cães pastores, mas a reacção de tentar conduzir o gado para fora do perigo despoletava o instinto natural da chita para perseguir, causando mais mortes de cabras e ovelhas. 

Assim, Marker resolveu encontrar um cão pastor que protegesse o gado, em vez de o arrebanhar, tendo encontrado nas suas pesquisas o cão pastor da Anatólia. Estes cães de grande porte (atingem 74 cm de altura) são usados há séculos pelos pastores turcos como defesa contra predadores. Os cães vivem com o rebanho e são muito independentes, não necessitando de grande controlo para realizar a sua tarefa. 

O seu instinto provou ser eficaz contra muitos outros predadores, para além das chitas, nomeadamente chacais, caracais, leopardos e mesmo babuínos. 

Os cães pastores da Anatólia são criados no CCF, sendo, em média, 25 colocados anualmente em quintas. Não é cobrada nenhuma taxa para a obtenção de um cão mas os criadores comerciais devem fazer uma contribuição de $100 para custos de vacinação e esterilização. 

Desde o início do programa, Marker diz que a maioria dos criadores participantes deixou de apresentar perda de gado e está altamente satisfeito com a actuação dos cães. 

No entanto, muitos criadores de gado consideram que as mentalidades mudariam mais rapidamente se existissem compensações pela perda de cabeças de gado para predadores. O CCF não fornece esse tipo de compensação mas está a considerar a possibilidade de certificar a carne produzida como "amiga dos predadores". Esta carne seria vendida a um preço mais elevado, ajudando os criadores a respeitar as chitas. 

A fama deste programa de cães pastores já chegou a outros países, pelo que investigadores que trabalham para conservar lobos nos Estados Unidos e na Europa, leopardos das neves no Nepal, jaguares no Brasil ou linces na Suíça, já mostraram interesse em utilizar os cães pastores da Anatólia como ferramenta de conservação. 

 

 

Saber mais: 

Cheetah Conservation Fund

Cheetahs—Ghosts of the Grassland

Cão e lobo: amigos inesperados

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com