2009-01-25

Subject: Mil milhões de anfíbios nos nossos pratos

 

Mil milhões de anfíbios nos nossos pratos

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

Até mil milhões de rãs são recolhidas na natureza para consumo humano todos os anos, revela um novo estudo.

Os investigadores chegaram a esta conclusão analisando dados de comércio das Nações Unidas, ainda que reconheçam que há uma dose importante de incerteza neste número.

A França e os Estados Unidos são dois dos maiores importadores, mas também há um consumo significativo em vários países do este asiático.

Cerca de um terço do total das espécies de anfíbios estão listadas como ameaçadas, sendo a perda de habitat o principal factor deste declínio mas a caça também é importante para certas espécies. As alterações climáticas, a poluição e a doença, nomeadamente a quitridiomicose, também têm contribuído para levar à extinção alguns anfíbios.

O novo estudo, que será publicado na próxima edição da revista Conservation Biology, sugere que o comércio global de rãs selvagens tem sido subestimado. 

"As perninhas de rã estão no menu de cantinas escolares na Europa, mercados e mesas de jantar na Ásia e restaurantes finos de todo o mundo", diz Corey Bradshaw, da Universidade de Adelaide na Austrália. "Os anfíbios já são o grupo animal mais ameaçado devido a questões como a quitridiomicose, perda de habitat e alterações climáticas, mas o voraz apetite humano pelas suas patas não está a ajudar nada."

Os anfíbios são criados para a alimentação em alguns países mas estes animais não foram incluídos nesta nova análise.

A Indonésia emergiu da análise de Bradshaw tanto como o maior exportador de rãs - 5 mil toneladas por ano -, como dos maiores consumidores do mundo.

Esta situação causa preocupação pois pode levar a que comece a sentir o declínio induzido pela caça que já foram observados noutros locais do mundo, principalmente em França e nos Estados Unidos, onde espécies como a rã de patas vermelhas da Califórnia já praticamente desapareceu.

 

Os investigadores sugerem que o comércio de anfíbios segue o mesmo caminho que a situação global das pescas.

"A captura parece seguir o mesmo padrão para as rãs e para as pescas marinhas, colapsos locais inicialmente na Europa e América do Norte, seguidos de declínios populacionais na Índia e Bangladesh e agora potencialmente na Indonésia", diz Bradshaw. "A ausência de dados essenciais à monitorização e gestão das capturas selvagens é uma grande preocupação."

Os investigadores sugerem o estabelecimento de um esquema de certificação para que os exportadores possam provar que os seus animais foram caçados de forma sustentável.

No entanto, uma grande parte do comércio de anfíbios para as lojas de animais de estimação é realizado ilegalmente e os peritos dizem que os funcionários alfandegários de muitos países estão mal equipados para detectar e lidar com esses carregamentos ilegais. 

 

 

Saber mais:

Extinção de anfíbios - estarão as alterações climáticas ilibadas?

Especialistas preparados para 'caça' a rãs raras

Risco de extinção subestimado

Bactérias podem parar fungo assassino de anfíbios

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com