2004-03-03

Subject: Aves seguem os alertas dos macacos

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Aves seguem os alertas dos macacos

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

As aves são capazes de reconhecer os chamamentos de alarme de outras espécies, revelaram os cientistas da Universidade de St Andrews, que alegam que certas espécies são mesmo capazes de distinguir entre os vários sinais de alarme, ignorando os que não as afectam. 

Um estudo revelou que os calaus e os macacos Diana Cercopithecus diana se alertam uns aos outros acerca da proximidade de predadores no seu habitat da África ocidental. Esta relação nunca antes tinha sido identificada. 

Os biólogos Hugo Rainey, Peter Slater e Klaus Zuberbühler passaram 18 meses a estudar os animais. Os macacos Diana são uma espécie de coloração intensa, extremamente observadores e, por isso mesmo, óptimos vigias contra predadores. Os cientistas notaram que os calaus estavam frequentemente presentes nas vizinhanças dos macacos, quando estudavam os seus gritos de alarme. 

O par tem um inimigo comum, a água coroada, e foi descoberto que as aves apenas reagem aos gritos de alarme específicos para as águias. Deduzimos que os calaus não reagiram aos sinais de alarme para a presença de leopardos porque estes não são uma ameaça para as aves, explica Rainey.

 

Isto demonstra como as aves são capazes de obter informação relevante sobre predadores a partir dos gritos de outras espécies. 

Os calaus reagiram aumentando o número de chamamentos quando as águias estavam presentes, o que se pensa ser, por sua vez, um sinal de alerta para outros calaus. 

Alguns mamíferos conseguem distinguir e responder adequadamente aos gritos de alarme de outros mamíferos e aves. No entanto, a capacidade de aves para distinguir entre os vários sinais de alarme de mamíferos nunca tinha sido previamente investigada. 

 

 

Saber mais: 

University of St Andrews

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com