2009-01-09

Subject: Iguana cor-de-rosa reescreve a história da família

 

Iguana cor-de-rosa reescreve a história da família

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

Um espectacular tipo cor-de-rosa de iguana das Galápagos promete reescrever a história evolutiva da família nas ilhas.

A iguana Rosada não foi vista por Charles Darwin durante a sua visita em 1835 mas ela parece indicar a divergência mais antiga em animais terrestres no arquipélago.

Escrevendo na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), os investigadores dizem que a iguana rosada divergiu a partir de outras iguanas terrestres há cerca de 5,7 milhões de anos. Eles sugerem que não devem restar mais de 100 animais desta espécie vivos.

Os rangers do parque notaram a presença de uma variedade cor-de-rosa de iguanas pela primeira vez nas encostas do vulcão Lobo na ilha de Isabela em 1986, mas só em 2000 os cientistas as começaram a examinar.

Os estudos de Darwin nas Galápagos forneceram evidências cruciais para o desenvolvimento e aceitação da teoria da selecção natural, que ele apresentou ao mundo em 1859 no livro A Origem das Espécies.

Animais como os tentilhões e as tartarugas mostram alterações subtis de forma entre as diversas ilhas, o que o levou a colocar a hipótese de que tinham evoluído seguindo percursos, de acordo com diferentes ambientes.

As suas viagens não passaram pelo vulcão Lobo logo ele falhou a característica iguana cor-de-rosa, que não foi encontrada noutros locais a não ser neste vulcão relativamente recente.

Os investigadores obtiveram agora várias evidências que sugerem que em vez de ser uma forma da espécie continental Conolophus subcristatus, a rosada deve ser considerada uma nova espécie.

Tipicamente, as iguanas balançam a cabeça quando se encontram, um comportamento que se pensava ser importante na marcação de território e na corte, e a rosada fá-lo de uma forma mais complexa que a iguana subcristatus de cor amarela ou que a outra espécie das Galápagos Conolophus pallidus.

A iguana cor-de-rosa também tem uma crista de forma diferente e não há sinais de cruzamentos cruzados entre os animais rosa e amarelos. A análise de DNA mostra que é mais distinta de todas as outras iguanas terrestres do que elas são entre si.

Tudo isto significa que a linhagem que conduziu às subcristatus e pallidus deve ter divergido da que conduziu à rosada há muito tempo, tendo a separação entre subcristatus e pallidus vindo muito depois. O DNA coloca a data da divergência entre a rosada e as restantes há cerca de 5,7 milhões de anos, o que coloca um novo conjunto de questões.

 

"Há 5,7 milhões de anos, todas as ilhas ocidentais do arquipélago não existiam", diz Gabriele Gentile, da Universidade de Rome Tor Vergata, que liderou a análise. "Isso é um embaraço pois actualmente apenas habita uma parte da ilha Isabela que se formou há menos de meio milhão de anos." Mesmo as partes mais antigas do arquipélago podem ser mais recentes que cinco milhões de anos.

A explicação pode ser que alguns vulcões, que estão agora debaixo e água, na época estavam à superfície quando as primeiras iguanas chegaram, o que permitiu a algumas delas subir a terra e iniciar a sua evolução separada. Análises de DNA anteriores sugerem que as iguanas terrestres divergiram das suas parentes marinhas há cerca de 10 milhões de anos.

Seja qual for a história, a equipa de Gentile acredita que a única população da iguana rosada é tão pequena que a sua sobrevivência está em risco. "Os nossos estudos indicam que a dimensão da população é demasiado reduzida", diz ele. Apenas recolhemos 36 em dois anos e no ano passado uma grande equipa de investigadores subiu ao Lobo e apenas encontrou 10 animais, a maioria dos quais já tínhamos marcado anteriormente."

Estes números são suficientemente baixos para tornar a iguana rosada uma espécie criticamente ameaçada, se for realmente uma espécie isolada das suas primas amarelas.

A equipa de Gentile está agora a preparar uma descrição formal do animal, para pedir à Comissão Internacional de Nomenclatura Zoológica (ICZN), entidade que tem jurisdição nessas questões, que decida sobre a questão de se tratar de uma espécie distinta. 

 

 

Saber mais:

ICZN

Invasores das Galápagos afinal são nativos

Sucesso na reprodução de lagartos raros

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com