2003-10-10

Subject: Alterações genéticas na vida das abelhas

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do Boletim Informativo Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Alterações genéticas na vida das abelhas

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Uma abelha consegue "ligar" e "desligar" cerca de 40% dos seus genes, ao longo do seu desenvolvimento na sua breve, mas activa, vida.

Os estudos agora divulgados revelam que os genes e o comportamento podem estar mais relacionados do que se pensava, que a natureza e o ambiente estão intimamente ligados. 

Algumas das alterações verificadas nas abelhas são devidas ao processo de crescimento, explicou Gene Robinson, líder do estudo da Universidade de Illinois. Cerca de 40% dos genes alteram-se durante o desenvolvimento do insecto, desde que toma conta das suas irmãs mais novas na colmeia, até se tornar uma recolectora adulta. Estas alterações são tão consistentes que um programa de computador pode, analisando o perfil de expressão génica do indivíduo, identificá-lo como jovem ou adulto.

Foram analisados 5500 diferentes genes activos de abelhas durante este estudo, o que permitiu criar um chip genético específico, que detecta produtos genéticos específicos tornando-se luminescente em certos comprimentos de onda.

Puderam, assim, monitorizar o desenvolvimento de 60 abelhas diferentes, e descobrindo que alguns genes são activados e outros desactivados durante o processo. O ritmo a que a abelha se desenvolve depende das suas necessidades, das da sua família e das da sua colónia. 

As abelhas vivem em colónias dominadas por fêmeas, em que os machos apenas existem para acasalar com a rainha. As jovens cuidam dos juvenis durante as primeiras duas ou três semanas de vida, passando depois a recolher pólen e néctar. No entanto, se a colónia necessitar de obreiras urgentemente as jovens amadurecerão mais rápido. Tudo isto decorre no breve período de seis semanas, o tempo médio de vida destes insectos. 

Não é claro quanta desta informação pode ser transposta para o estudo do genoma humano, pois o Homem desenvolve-se muito mais lentamente e de forma mais complexa. Mas a nível genético as semelhanças são muito grandes: muitos dos genes envolvidos existem igualmente no Homem e noutros animais, por vezes ligados a comportamentos tão importantes como a aprendizagem e a memória. 

 

 

 

Outras Notícias:

Determinação do sexo em abelhas

 

Apicultores de todo mundo podem finalmente compreender o mistério da abelha macho, que nascia sem ter um pai! 

A questão da paternidade da abelha macho estava a intrigar todos desde 1845, quando o padre polaco Johann Dzierzon sugeriu que estes animais não tinham pai: as fêmeas desenvolviam-se a partir de óvulos fertilizados mas os machos desenvolviam-se a partir de óvulos (sem fertilização). Como tal acontecia, não se sabia.
A resposta surge agora pela mão de investigadores das Universidades de Halle-Wittenberg e Davis, que descobriram que existe um sinal genético conhecido por determinante sexual complementar. As abelhas fêmea são-no porque apresentam duas versões do gene (uma proveniente de cada progenitor), enquanto os machos apenas apresentam uma.

 

 

 

  Saber mais:   

Abelhas - Taxonomia, Anatomia e Comportamento

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo?? 

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2003


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com