2008-07-05

Subject: Risco de extinção subestimado

 

Risco de extinção subestimado

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

O risco de extinção para muitas espécies pode ter sido seriamente subestimado, revela uma investigação recente agora publicada na revista Nature.

Os métodos actuais utilizados para avaliar as espécies que estão à beira do precipício não consideram alguns factores cruciais, alega a equipa responsável pelo estudo.

Estes factores negligenciados incluem a razão de machos para fêmeas numa população, um factor que pode ter uma influência profunda na sobrevivência de uma espécie.

Segundo os investigadores, para algumas espécies o risco pode ser cem vezes superior do que antes se considerava.

Actualmente, dois factores cruciais são usados para estimar o risco de extinção: a razão de nascimentos para mortes e condições ambientais, como a destruição do habitat. Mas os investigadores americanos Brett Melbourne e Alan Hastings acreditam que outros elementos estão a ter um peso muito inferior ao real na avaliação destes casos.

Para além da razão machos/fêmeas, eles salientam a dimensão física dos indivíduos de uma espécie, bem como alguns aspectos comportamentais, como igualmente importantes numa avaliação correcta.

A equipa descobriu que quando as populações são pequenas e vulneráveis, as alterações na razão entre os sexos pode ter um impacto gigantesco na capacidade de sobrevivência da espécie.

De forma geral, o novo modelo que os investigadores propõem para avaliar o risco de extinção sugere que algumas espécies estão a enfrentar uma probabilidade de extinção muito superior à que era normalmente assumida.

 

Alan Hastings, da Universidade da Califórnia, Davis, comenta: "Com algumas espécies, se o efectivo está a aumentar e podemos protege-las então devemos estar bem. Mas podem muito bem existir espécies, muitas das quais não serão as carismáticas e de grande dimensão de que ouvimos falar todos os dias mas antes insectos e organismos semelhantes, que são ainda assim muito importantes e onde estamos a subestimar o risco de forma grave."

A International Union for the Conservation of Nature (IUCN) identificou mais de 16 mil espécies ameaçadas de extinção na sua Lista Vermelha.

Um em cada três anfíbios, um em cada quatro mamíferos, uma em cada oito aves e sete em cada dez plantas das até agora avaliadas pela Lista Vermelha foram consideradas em risco. 

 

 

 

Saber mais:

Nature

IUCN Lista Vermelha

Tubarões nadam cada vez mais perto da extinção

Alterações climáticas estão a acelerar a perda de aves

Último aceno da rã dourada

Boto ameaçado pode estar em pior estado do que se pensava

Redução do número de fêmeas pode ter extinguido dinossauros

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com