2008-06-25

Subject: Aves que dançam

 

Aves que dançam

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

Snowball
Snowball em acção num dos seus poisos preferidos: veja alguns dos seus vídeos aqui, aqui ou aqui.

Quando Snowball, uma catatua macho de crista amarela, apareceu num vídeo do YouTube do ano passado aparentemente a mover-se ao ritmo de música pop, tornou-se imediatamente uma sensação da Internet.

Mas só agora a sua actuação foi sujeita a uma análise científica e a conclusão foi que Snowball consegue realmente dançar.

Aniruddh Patel, do Instituto de Neurociência de La Jolla, Califórnia, diz que a capacidade de Snowball para abanar o capacete é muito mais do que uma curiosidade engraçada. Pode muito bem ajudar a lançar luz sobre as bases biológicas da percepção do ritmo e pode ter implicações para a utilização de música no tratamento de doenças neurodegenerativas.

"Música com ritmo pode por vezes ajudar as pessoas com doença de Parkinson a iniciar e a coordenar o andar", diz Patel. "Mas não sabemos porquê. Se animais não humanos conseguem sincronizar-se com um ritmo, o que aprendermos sobre os seus cérebros pode ser relevante para a compreensão dos mecanismos por trás do poder clínico da música no Parkinson."

Qualquer pessoa que observe o Snowball percebe que os seus movimentos parecem bem sincronizados com o ritmo mas era possível que nos vídeos originais ele estivesse a receber dicas a partir das pessoas que dançavam fora da imagem. O seu antigo dono diz que ele e os seus filhos encorajavam a 'dança' do Snowball com gestos rítmicos. 

Uma 'dança' genuína, ou seja, a capacidade de se aperceber e mover-se de acordo com um ritmo, também requereria que o Snowball ajustasse os seus movimentos de acordo com diferentes velocidades de ritmo ou tempos.

Para examinar esta situação, Patel e os seus colegas foram conhecer pessoalmente. Ele tinha sido deixado pelo seu dono anterior num abrigo para aves, Birdlovers Only Rescue Service em Schererville, Indiana, em Agosto de 2007, juntamente com um CD contendo uma canção ao som da qual Snowball gostava de dançar, segundo o dono: Everybody do album Backstreet's Back dos Backstreet Boys.

Patel gravaram o Snowball a dançar num dos seus locais preferidos, nas costas de um cadeirão no escritório da Bird Lovers Only. Alteraram o tempo da música em pequenos passos e verificaram se a catatua continuava a seguir o ritmo. Pode ver os vídeos do Snowball a dançar a vários tempos aqui, aqui e aqui.

Isto não é tão fácil como pode parecer, porque Snowball não dançava continuamente durante a música e por vezes não ia na onda de todo. Logo foi importante verificar verificar se os episódios de aparente sincronismo não seriam puro acaso.

"Em cada teste ele dança com uma série de tempos", diz Patel. Mas em cada caso o passo mais lento de Snowball parecia estar de acordo com o tempo da música. "Quando a música era lenta, a sua variação de tempo incluía uma dança lenta. Quando a música era rápida, as suas variações não incluíam estes tempos mais lentos."

 

Uma verificação estatística destas variações revelou que a correlação entre o ritmo da música e os movimentos mais lentos de Snowball não era provável que acontecesse por acaso. "Para nós, isto mostra que ele tem realmente sensibilidade para o ritmo da música e não está apenas a fazer o que quer a um ritmo qualquer preferido", diz Patel.

Patel diz que não é provável que Snowball seja o único. Adena Schachner, que estuda a resposta de animais à música na Universidade de Harvard, também descobriu provas de sincronia genuína noutros vídeos do YouTube de papagaios desconhecidos e em estudos do papagaio inteligente mais famoso, o falecido Alex, treinado pela psicóloga Irene Pepperberg. 

Patel e Schachner vão ambos apresentar as suas descobertas na Décima Conferência Internacional sobre Percepção e Cognição da Música em Sapporo, Japão, em Agosto.

Patel espera explorar a questão de os movimentos de dança de Snowball estão relacionados com os movimentos naturais de exibição sexual das catatuas. Terá ele inventado os seus movimentos ou simplesmente adaptou os seus movimentos instintivos a esta situação? Dançaria ele com um parceiro e, se sim, iria isso alterar o seu estilo?

Mas as implicações estendem-se para além das excentricidades das aves. Patel salienta que o comportamento de dança de Snowball é melhor que o de crianças muito pequenas, que se movem ao som de música mas sem sincronismo real com o ritmo. "O Snowball é melhor que um humano de 2-4 anos típico mas não tão bom como um adulto." (E muitos dirão o mesmo de algumas das preferências musicais de Snowball ...)

Isto sugere que a capacidade de sincronização rítmica não é uma adaptação 'musical', dado que os animais não têm 'música' genuína. A questão de se saber se a musicalidade é biologicamente inata no Homem tem sido altamente controversa, com alguns a defender que a música serviu funções adaptativas que criaram uma predisposição genética.

Mas agora Snowball parece estar a mostrar que uma capacidade para dançar ao som de um ritmo não deriva directamente da propensão para fazer música. 

 

 

Saber mais:

Laboratório Patel

Adena Schachner (e mais vídeos)

Snowball no YouTube

Adeus a papagaio famoso

Papagaios falam línguas

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com