2008-06-06

Subject: Químico cerebral ajuda-nos a tolerar injustiças

 

Químico cerebral ajuda-nos a tolerar injustiças

 

   

Controlar a nossa ira e reagir de forma sensata quando alguém nos trata mal pode ser um problema e se tivermos níveis baixos de serotonina pode ser um problema ainda maior, revelou um estudo agora conhecido.

Molly Crockett, da Universidade de Cambridge, ofereceu a alguns voluntários uma bebida que lhes baixava temporariamente o nível de serotonina, um neurotransmissor associado ao sentimento de bem-estar.

Seguidamente eles tinham que jogar o Jogo do Ultimato, que envolve aceitar ou rejeitar ofertas de dinheiro. Aqueles que tinham baixos níveis de serotonina revelaram uma taxa superior de retaliação a ofertas que consideravam injustas.

“Já suspeitávamos há anos que existia uma associação entre a serotonina e a regulação emocional e a agressão impulsiva", diz Crockett. “Até fazermos este estudo não era claro se a serotonina estava a desempenhar um papel causal."

Há muito que é sabido que os níveis baixos de serotonina estão associados a grupos de pessoas com tendência para a impulsividade e com problemas de controlo emocional, como os alcoólicos, os criminosos violentos e os que tentam o suicídio. Os níveis baixos de serotonina também são encontrados associados a problemas clínicos como a depressão e a ansiedade.

“Sabemos há 30 anos que os baixos níveis de serotonina estão associados à impulsividade, agressividade virada contra o próprio e contra outros", diz David Nutt, chefe da Unidade de Psicofarmacologia da Faculdade de Medicina e Medicina Dentária da Universidade de Bristol, que não esteve envolvido neste novo estudo. "O que estamos a fazer agora é manipular estas situações externamente." 

Como funciona o Jogo do Ultimato afinal? 

Bem, imagine o que faria se alguém lhe oferecesse €6 de um total de €13 que lhe tinham dado para dividir consigo? A maioria das pessoas aceitava o dinheiro, especialmente se rejeitá-lo significasse não receber nada.

 

Mas se lhe oferecessem €6 de um total de €30 dado para ser dividido consigo? Esta é nitidamente uma divisão injusta mas, ainda assim, continua a ser melhor que nada.

No Jogo do Ultimato, podemos punir o outro jogador ao rejeitar a oferta, significando que eles também não recebem nada. Claro que também nós não recebemos nada ...

No estudo de Crockett, publicado na edição desta semana da revista Science, 20 participantes tinham um certo número de tentativas no jogo, com ofertas justas definidas como 45% do total, ofertas injustas definidas como 30% do total e ofertas muito injustas definidas como 20% do total. Os participantes foram sorteados para receber o tratamento que baixava o nível de serotonina ou um placebo.

Enquanto os participantes que receberam um placebo rejeitaram cerca de 65% das ofertas muito injustas, os que tinham níveis baixos de serotonina rejeitaram mais de 80%.

Os investigadores também mediram a disposição, a capacidade de fazer julgamentos justos e o processamento da recompensa dos participantes. Descobriram que estes parâmetros não eram afectados pelo baixo nível de serotonina, o que implica claramente o neurotransmissor na resposta mais agressiva à injustiça. 

O nosso desejo de justiça também parece ser uma característica universal.

Crockett diz que quando o Jogo do Ultimato foi testado em países pobres com quantidades de dinheiro equivalentes ao salário de uma semana ou um mês, as pessoas ainda rejeitavam as ofertas injustas. “A motivação para a justiça é muito forte", diz ela. 

 

 

Saber mais:

Composto acalma ratos violentos

Comportamento modelo

Ratinhos mutantes revelam a forma como o cérebro avalia os riscos

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com