2004-02-11

Subject: Cascavéis têm vida social muito activa

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Cascavéis têm vida social muito activa

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

As supostamente temíveis cascavéis são animais muito mais carinhosos e sociais do que os seus detractores gostariam de nos fazer acreditar, revela esta nova pesquisa, agora revelada. 

Um biólogo americano mostrou que as cascavéis dos troncos levam vidas sociais preenchidas, podendo mesmo formar grupos familiares. As fêmeas formam maternidades com outras cobras quando grávidas, cuidam dos jovens e associam-se mais intimamente com as suas irmãs do que com cobras com as quais não têm parentesco. 

O senhor Clark alega que este estudo é o primeiro a demonstrar a capacidade de distinção de parentes de outros indivíduos - reconhecimento de pares - numa espécie de cobra. Elas parecem ter uma forte componente social nas suas vidas, ignorada até agora, explica Rulon Clark, biólogo da Universidade de Cornell. Talvez pela forma do corpo ou pelos olhos sem pálpebras, mas é facto que elas parecem algo alienígenas, o que pode explicar porque não lhes atribuímos sentimentos sociais. 

Clark testou associações formadas entre 10 fêmeas de cascavéis dos troncos Crotalus horridus, criadas em laboratório desde o nascimento. A posição de cada indivíduo foi registada 4 vezes por dia, com cerca de 3 horas de intervalo, durante 3 dias. O estudo completo foi levado a cabo num período de 2 meses. 

Descobriu que as fêmeas da mesma ninhada de cobras se associam mais intimamente umas com as outras, do que com cobras de outras ninhadas, provando que são capazes de reconhecer parentesco. As cascavéis na natureza também exibem outras características típicas de animais que formam grupos familiares, como a defesa de grupo e defesa materna dos juvenis. 

Répteis e anfíbios são exotérmicos, ou seja, dependentes da temperatura ambiente. Adaptaram-se a uma vida mais lenta do que a nossa, explica Clark. Somos demasiado rápidos para elas, pelo menos em algumas formas, pelo que algumas coisas importantes podem passar despercebidas. Assim, ou temos que ser muito pacientes, ou temos que realizar uma experiência cujos resultados não dependam da escala de tempo. 

 

Factores ambientais podem predispor as cascavéis ao comportamento social, pois vivem num ambiente que as obriga a procurar abrigo durante o Inverno. Quando encontram um afloramento rochoso com uma boa exposição ao sol, uma encosta virada a sul e sulcos profundos o suficiente para que se escondam da geada, permanecem-lhe fiéis para o resto da vida. 

Os jovens nascem perto destes abrigos e seguem os adultos para essas zonas de Inverno. Assim, pode-se considerar que deve ter existido uma selecção para este tipo de comportamento social. 

As cascavéis dos troncos têm uma vasta distribuição geográfica nos Estados Unidos, desde o New Hampshire a norte ao Texas a sul. São venenosas, mas raramente atacam se não forem incomodadas. 

Clark diz que os machos também exibem comportamento social em certas épocas do ano, mas tornam-se agressivos quando colocados num ambiente laboratorial. 

 

 

Saber mais: 

Cornell University, Department of Neurobiology and Behaviour

Crotalus horridus

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com