2008-04-12

Subject: O vulcão que mudou o mundo

 

O vulcão que mudou o mundo

 

  Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

HuaynaputinaHá quatro séculos um vulcão peruano explodiu e todo o mundo sofreu com isso, sugere um estudo agora publicado.

A erupção de 1600 do Huaynaputina, um estratovulcão nos Andes, cobriu as aldeias vizinhas com rocha incandescente e cinzas, matando perto de 1500 pessoas, mas teve também um efeito mais vasto ao injectar partículas sulfurosas na atmosfera e perturbando o clima mundial.

Já se sabia que a erupção tinha sido importante mas este novo estudo analisa pela primeira vez a forma como terá alterado a sociedade em todo o mundo. “Estamos a falar de uma alteração abrupta num espaço muito curto de tempo", diz Kenneth Verosub, geólogo da Universidade da Califórnia, Davis. “O que terá causado à economia agrícola global?"

Provavelmente terá tido grande impacto, diz ele num artigo publicado esta semana na revista American Geophysical Union. Verosub e o seu co-autor Jake Lippman, analisaram registos históricos de colheitas, fomes e outros eventos nos anos imediatamente a seguir à erupção do Huaynaputina.

O ano de 1601 teve várias discrepâncias climáticas, notaram eles. O registo dos anéis das árvores mostra que foi o ano mais frio em seis séculos, no hemisfério norte, possivelmente devido ao arrefecimento causado pelas partículas sulfurosas na atmosfera.

O efeito fez-se sentir do outro lado do globo, onde um Inverno severo causou fome na Rússia. A neve cobriu a Suécia, causando cheias recorde e reduzindo as colheitas. A vindima foi tardia em França e no Japão o lago Suwa congelou mais cedo que o habitual. Galeões que viajavam do México para as Filipinas chegaram muito mais depressa que o habitual, talvez porque os padrões de vento estavam alterados.

"O que descobrimos foi que 1601 foi, em muitos casos, o ano pior ou mais frio ou mais chuvoso", diz Verosub. Alguns destes eventos já tinham anteriormente atribuídos a uma tendência de arrefecimento com vários séculos, conhecida como a Pequena Idade do Gelo, mas agora estão a ser mais correctamente atribuídos ao Huayaputina, diz ele.

 

As provas continuam circunstanciais e muitos mais registos são necessários para confirmar a ligação entre o vulcão e o clima volátil da época. Verosub diz que a seguir vai analisar os registos dos Jesuítas espanhóis, bem como registos municipais chineses da época.

A investigação é uma das primeiras a analisar os efeitos sociais da erupção do Huaynaputina, diz Georgiy Stenchikov, modelador do clima na Universidade Rutgers em New Brunswick, Nova Jérsia. “É muito importante tentar compreender como as erupções vulcânicas afectam o clima e a sociedade, para perceber como a sociedade reage ao stress.”

De facto, Verosub diz que começou o projecto quando começou a ponderar os efeitos da erupção de 1815 do Tambora na Indonésia, a maior de que há conhecimento em tempos históricos. O Tambora cobriu a atmosfera com uma tal quantidade de enxofre que o ano seguinte ficou conhecido como o 'ano sem Verão'.

Se o Huaynaputina teve um efeito de alteração climática semelhante, isto sugere que as erupções desta dimensão podem desencadear um arrefecimento climático muito mais facilmente do que se pensava. Mas Verosub não perde sono a pensar na próxima erupção que pode arrefecer o planeta de tal maneira que não haja produção agrícola. 

 

 

Saber mais:

Huaynaputina

DNA revela uma Groenlândia verde

Corrente do Golfo enfraquecida durante a Pequena Idade do Gelo

Arrefecimento europeu associado a Peste Negra?

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2008

Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com