2007-12-28

Subject: Homem afasta grandes mamíferos

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Homem afasta grandes mamíferos

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo

Quase 80% da superfície da Terra experimentou um acentuado declínio do número de grandes mamíferos em resultado das actividades humanas, sugere um novo estudo agora dado a conhecer.

Ao examinar registos datados desde 1500 d.C. investigadores americanos descobriram que pelos menos 35% dos mamíferos com mais de 20 Kg de peso viram o seu território habitual reduzido em mais de metade.

Os investigadores referem que é necessária acção urgente para proteger os animais, que continuam a ser caçados ou a sofrer perda de habitat.

As descobertas foram publicadas na última edição da revista Journal of Mammalogy. 

A investigação, levada a cabo por uma equipa de cientistas da Universidade de Princeton e pela organização conservacionista WWF na sua delegação americana, foi descrita como a primeira "medição do impacto humano na biodiversidade baseada na ausência de mamíferos nativos de grande porte".

"Talvez o resultado mais chocante do nosso estudo seja que os 109 locais que ainda retêm o mesmo efectivo de grandes mamíferos que apresentavam em 1500 sejam ou pequenas áreas protegidas e geridas intensivamente ou zonas de climas extremos", comenta o principal autor do estudo, John Morrison, director das medidas de conservação do WWF-US. "As áreas remotas são ou demasiado quentes, secas, húmidas, geladas ou pantanosas para suportar a actividade humana intensa."

Os investigadores compararam a distribuição actual dos 263 maiores mamíferos terrestres do mundo com a sua distribuição há 500 anos e descobriram que as espécies que sofreram a maior perda de habitat foram as de habitat generalista, onde se incluem os tigres, leopardos, leões, bisontes americanos, alces e lobos.

Geograficamente, a Australásia aguentou-se melhor, retendo 68% dos seus mamíferos de grande porte. No outro extremo da escala está o sudeste asiático, que apenas mantém 1% da megafauna que percorria a região em 1500.

 

No seu estudo, os cientistas explicam porque motivo os mamíferos de grande porte são tão importantes para a manutenção do equilíbrio ecológico.

"Os grandes carnívoros frequentemente moldam o número, distribuição e comportamento das suas presas", escrevem eles. "Os grandes herbívoros funcionam como engenheiros ecológicos ao alterar a estrutura e a composição específica da vegetação que os rodeia e, para além disso, ambos os tipos de mamíferos influenciam profundamente o ambiente para além das interacções directas entre as espécies, como as que ocorrem nas cadeias alimentares."

O cientista chefe do WWF Eric Dinerstein refere que espera que as descobertas ajudem a focar os esforços conservacionistas: "Podemos agora localizar as zonas onde grandes grupos de mamíferos de grande porte ainda desempenham um papel importante nos ecossistemas terrestres."

"Através de reintroduções estratégicas, como a devolução dos lobos ao Parque Nacional de Yellowstone, podemos restaurar [...] locais onde estejam a faltar uma ou duas espécies aos ecossistemas e recuperar o tecido ecológico dessas paisagens tão importantes para a conservação." 

 

 

Saber mais:

WWF-US

American Society of Mammalogists

Journal of Mammalogy

 

Comentar

Busca Imprimir  

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com