2007-12-09

Subject: Células estaminais tratam anemia em ratos

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Células estaminais tratam anemia em ratos

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo

Os investigadores trataram com sucesso anemia falciforme em ratos com a utilização de linhagens de células estaminais criadas a partir de células da ponta da cauda dos ratos.

Esta é a primeira demonstração que células estaminais totipotentes induzidas, ou seja, células adultas que foram reprogramadas para se comportarem como células estaminais embrionárias, podem ser usadas terapeuticamente.

O trabalho é um passo crucial em direcção a estabelecer se estas células poderão, um dia, conduzir a terapias derivadas dos tecidos individuais de cada um, eliminando o risco de rejeição por parte do sistema imunitário. Mas os investigadores são rápidos a alertar para o facto de existir ainda muito a ser feito antes das células estarem prontas para testes em humanos.

"Demonstra um princípio pré-clínico muito importante", diz George Daley, investigador em células estaminais do Children’s Hospital de Boston no Massachusetts, que não participou no estudo. “Mas também salienta que persistem muitas, muitas questões acerca da segurança da utilização destas células."

Há mais de 5 anos, Daley e Rudolf Jaenisch, do Whitehead Institute for Biomedical Research em Cambridge, Massachusetts, utilizaram a clonagem terapêutica para criar células estaminais embrionárias capazes de corrigir uma imunodeficiência genética mas o método foi muito desafiador do ponto de vista técnico e, para alguns, preocupante do ponto de vista ético, devido à utilização de embriões.

Desde então, os investigadores aprenderam como reprogramar células adultas de rato e humanas para que se comportem como células estaminais embrionárias. As células resultantes, designadas células estaminais totipotentes induzidas, são capazes de se diferenciar em muitos tipos diferentes de células mas o seu potencial terapêutico ainda não tinha sido estabelecido. Os investigadores têm andado ansiosos por testar as novas células nos seus modelos preferidos para as doenças humanas.

Jaenisch decidiu utilizar as células para combater a anemia falciforme porque a base genética desta doença é bem compreendida e os modelos rato imitam de perto a doença humana. Assim, Jaenisch, em conjunto com Tim Townes da Universidade do Alabama em Birmingham, gerou células estaminais totipotentes induzidas a partir de um rato com a mutação no gene da hemoglobina, que causa a anemia falciforme.

A equipa modificou as células estaminais totipotentes induzidas para que se tornassem células saudáveis produtoras de glóbulos sanguíneos, substituindo o gene defeituoso da hemoglobina por uma cópia normal. As células estaminais foram então transplantadas novamente de volta para 3 ratos geneticamente idênticos e doentes, previamente irradiados para destruir as suas células produtoras de glóbulos defeituosas.

 

Doze semanas depois do procedimento, os ratos tratados com as células estaminais modificadas tinham glóbulos sanguíneos normais, incluindo contagens superiores de glóbulos vermelhos e hemoglobina, do que os ratos com anemia falciforme não tratados. Os resultados foram publicados na edição  mais recente da revista Science.

O transplante de células estaminais totipotentes induzidas pode trazer um risco aumentado de cancro. Os investigadores reduziram este risco não utilizando um tipo particular de ingrediente reprogramador, uma proteína causadora do cancro conhecida por c-Myc. Três meses depois do transplante, ainda não havia sinais de tumores nos ratos tratados, mas isso não significa que os tumores não surjam eventualmente, alerta Jaenisch.

Os investigadores não sabem realmente até que ponto estas células são equivalentes a células estaminais adultas ou células estaminais embrionárias até que sejam comparadas directamente, diz Evan Snyder, director do Burnham Institute for Medical Research de La Jolla, Califórnia. “Ultimamente temos que fazer isto com todas as células estaminais que há por aí", diz Snyder. “Precisamos de as comparar face a face e deixar que sejam os resultados a ditar quais são as mais seguras e mais eficazes."

Pode ser que diferentes doenças possam ser melhor tratadas com diferentes tipos de células estaminais, ou mesmo combinações de células estaminais. “É como um artista com uma paleta de cores imensa", diz Snyder. “Para nos dar uma imagem bonita, tem que ser livre de misturar todas as cores." 

 

 

Saber mais:

Science

Rudolf Jaenisch

Células curam coração danificado

Produzidas células estaminais de macaco

Experiência sobre Parkinson dá resultados mistos

 

Comentar

Busca Imprimir  

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com