2007-10-12

Subject: Alterações climáticas: uma causa Nobel

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Alterações climáticas: uma causa Nobel

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Al Gore“Não tínhamos a mínima ideia, é fantástico", diz Stefan Rahmstorf, modelista climático do Instituto Potsdam para a Investigação do Impacto Climático na Alemanha. 

Entre 8 e 10 de Outubro, Rahmstorf, bem como mais uma dúzia de laureados com o prémio Nobel e muitos outros, estava num simpósio em Potsdam a debater as alterações climáticas e os problemas a elas associados sob a égide de “Sustentabilidade Global: uma causa Nobel".

A 12 de Outubro ouviram o anúncio de que o prémio Nobel da Paz tinha sido atribuído a Al Gore, produtor de filmes e antigo vice-presidente dos Estados Unidos, e ao Painel Internacional sobre Alterações Climáticas (IPCC), ou seja, a sua causa tinha ganho o seu próprio Nobel.

“Al Gore é um combatente incansável pela causa das alterações climáticas que merece sem qualquer dúvida por trazer este tema tão sério para a atenção de políticos e do público em geral", diz Robert Watson, um dos participantes no simpósio de Potsdam e antigo secretário-geral do IPCC. “Mas estou agradavelmente surpreendido com o facto de o IPCC partilhar o prémio, que recompensa justamente toda a comunidade de investigação sobre as alterações climáticas."

Rajendra Pachauri, o actual secretário-geral do IPCC, também vê o prémio como um reconhecimento de um esforço global. “Gostava de prestar homenagem à comunidade científica, eles são os verdadeiros vencedores deste prémio."

Como as alterações climáticas são em última análise uma ameaça à paz e à segurança dos povos, o prémio Nobel da Paz é uma recompensa totalmente adequada pelo trabalho do IPCC, acrescenta Watson. O prémio já tinha sido atribuído a trabalhos na área ambiental antes: em 2004 a bióloga e ambientalista queniana Wangari Muta Maathai recebeu o prémio por ter iniciado o 'Movimento Cintura Verde' em África.

O IPCC publicou quatro relatórios ao longo das duas últimas décadas, cada um um compêndio desenvolvido sobre a literatura da ciência e efeitos das alterações climáticas, resultado do trabalho de milhares de autores e revisores. 

Recentemente tem havido alguma discussão acerca da forma mais correcta de tornar a informação compilada pelo IPCC mais útil e relevante para os decisores. Pachauri propôs várias opções, uma delas sendo a emissão de relatórios mais curtos, direccionados e frequentes sobre questões especiais. Outra possibilidade é focar-se cada vez mais nos impactos regionais das alterações climáticas, mas todas as opções serão discutidas numa série de encontros nos próximos meses.

 

Defensores do ambiente e muitos cientistas americanos louvaram os esforços de Gore para trazer as questões climáticas para a audiência global, que começaram há mais de duas décadas e mais recentemente tomaram a forma de documentário em 'Uma verdade inconveniente'. 

Michael MacCracken, cientista-chefe dos programas de alterações climáticas do Instituto do Clima em Washington DC, reconhece que Gore não foi capaz de levar os Estados Unidos à acção quando foi vice-presidente de Bill Clinton mas desde então tem sido muito bem sucedido a espalhar a palavra. “Tem sido muito difícil captar a atenção do público", diz ele, “e penso que foi isso que Gore conseguiu."

Susan Solomon, cientista sénior da National Oceanic and Atmospheric Administration e também secretária-geral do primeiro grupo de trabalho do IPCC, considera o prémio “uma vitória maravilhosa para a ciência" e valoriza o papel de Gore por passar a mensagem ao público em geral. “Adoro o filme, realmente adoro", diz Solomon, “acho que o seu objectivo é chamar a atenção das pessoas e esse é um objectivo fundamental, não me parece que ele esteja a usar a situação para se promover politicamente."

Dan Schrag, geoquímico da Universidade de Harvard, ainda que concorde com a atribuição do prémio a Gore, não tem tanta certeza acerca dos aspectos políticos. “A única preocupação que tenho ... é que Gore tenha ajudado a tornar a questão climática algo de revolucionários nos Estados Unidos, o que não é verdade para outros locais do mundo."

Como seria de prever, o prémio aumentou a especulação de que Gore possa tentar mais uma vez a candidatura à Casa Branca, possibilidade que o próprio tem repetidamente diminuído mas nunca recusado claramente. 

 

 

Saber mais:

IPCC

Al Gore - Climate Crisis

 

Comentar

Busca Imprimir  

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com