2007-10-10

Subject: Alces usam estradas como defesa contra ursos

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Alces usam estradas como defesa contra ursos

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

carneiros 'big horn' na estradaUm passeio de carro pelo Parque Nacional Yellowstone actualmente parece um safari fotográfico: renas, veados, bisontes, carneiros big horn e alces ficam tão perto da estrada que é facílimo vê-los. Estudos recentes mostram que esta situação nada tem a ver com o local estar repleto de animais, alguns mamíferos parecem ser atraídos pelas estradas como protecção contra predadores.

A ideia de que as presas se protegem ao ficar perto das estradas e das pessoas já tinha sido proposta anteriormente. “Tínhamos visto renas a juntarem-se em volta de zonas humanas no Parque Nacional Banff no Canadá, bem como veados agrupados em volta das bermas das estradas nas Montanhas Rochosas, pelo que sempre achámos que havia algo mais nesta situação", diz Dave Augeri, biólogo conservacionista da Denver Zoological Foundation do Colorado. Agora, investigações realizadas por Joel Berger, da Wildlife Conservation Society em Teton Valley, Idaho, coloca evidências por trás destas suspeitas.

Na zona de Yellowstone, os ursos tendem a manter-se afastados das estradas porque os rangers tomaram medidas activas para os fazer temer as pessoas. Berger resolveu descobrir se outros animais iriam tirar partido desta situação, particularmente no momento em que estão mais vulneráveis: durante o nascimento.

Entre 1995 e 2004, Berger observou nascimentos de 25 alces fêmea na zona do Parque Nacional Grand Teton, dentro do ecossistema de Yellowstone. Ele relata que os alces grávidos se deslocavam em média 122 metros para mais perto das estradas a cada ano que passava do seu período fértil, o que as trazia de 1000 metros para 380 metros da estrada. Os alces não grávidos e os que viviam em zonas sem ursos não se deslocavam.

Berger sugere que os alces grávidos se deslocavam porque as suas crias são fortemente atacadas pelos ursos e estes se mantêm afastados da estrada. “Parece que as mães alce estão a utilizar o medo das estradas dos ursos para proteger as suas crias no momento em que são mais vulneráveis."

Os gestores dos parques Yellowstone e Grand Tetons têm tentado manter os seus ambientes tão intocados quanto possível. Proibições de alimentar animais selvagens são aplicadas, a limpeza é uma arte e vastas regiões dos parques não têm qualquer tipo de infra-estrutura humana e para as visitar é necessário viajar a pé durante dias.

 

O facto de algumas estradas podem perturbar o ecossistema de forma tão forte cria um dilema para os conservacionistas responsáveis por manter essas zonas selvagens. “Este estudo só salienta que o ecoturismo não é uma situação assim tão benéfica", diz Fred Bercovitch, biólogo comportamental do Centro de Conservação e Investigação de Espécies Ameaçadas de San Diego, Califórnia. Mesmo observar animais discretamente da segurança de um carro pode alterar o seu comportamento.

Afortunadamente, Berger salienta que a redistribuição dos alces fêmea desta forma pode ser um fenómeno único e possivelmente temporário. Antes de 1950 existia caça ao urso no Grand Tetons. Quando o parque foi estabelecido e a caça cessou, os ursos migraram para o seu interior a partir das redondezas. “Estes ursos tinham pouca ou nenhuma experiência com humanos e é inteiramente possível que ainda se estejam a adaptar às estradas que estão a encontrar", diz Berger.

Os ursos do Parque Nacional Grand Teton podem ficar bem mais à vontade com as estradas no futuro, pondo fim à protecção que estas agora fornecem às presas. No Alaska e nas Rochosas do norte, os ursos  parecem estar habituados às estradas e os alces grávidos não são atraídas para elas.

"É um fenómeno intrigante com implicações essenciais para a conservação", diz Augeri. “Claramente, temos que analisar esta situação com mais cuidado por causa das influências imprevistas que as nossas actividades têm nas relações entre presa e predador." 

 

 

Saber mais:

Yellowstone National Park

Grand Teton National Park

Wildlife Conservation Society

 

Comentar

Busca Imprimir  

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com