2007-10-08

Subject: Cor dos ovos indica DDT

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Cor dos ovos indica DDT

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Há muito que os coleccionadores ficam fascinados com as cores e os padrões dos ovos de ave mas agora os investigadores mostraram que estas marcas de beleza também podem funcionar como indicadores da presença de químicos tóxicos.

As evidências têm-se vindo a acumular este ano de que as marcas nos ovos estão associadas à saúde das aves que os puseram.

Estudos têm mostrado que as marcas nos ovos aumentam quando as mães têm deficiências de cálcio e que as cascas tomam uma tonalidade azulada ou esverdeada quando o sistema imunitário das mães está comprometido. Estas descobertas levaram Andrew Gosler, da Universidade de Oxford, e uma equipa de biólogos a analisar ovos expostos ao DDT (dicloro-difenil-tricloroetano).

O DDT foi apresentado como um insecticida muito eficaz durante a Segunda Grande Guerra, com a capacidade de salvar vidas ao matar insectos transmissores de doenças. Mais tarde, foi utilizado na agricultura até que se descobriu que era um perigoso poluente ambiental, tendo sido proibido nos Estados Unidos em 1972.

Um dos problemas criados pelo DDT foi o amolecimento das cascas dos ovos, que levava a que se partissem e à falha reprodutiva. As águias carecas, falcões peregrinos, condores californianos e muitas outras espécies foram conduzidas à beira da extinção, em consequência disso.

Gosler estava curioso em saber se os ovos postos por aves contaminadas por DDT mostravam sinais de má saúde materna na sua coloração. Ele esperava observar tanto um aumento das marcas como das tonalidades azuis esverdeadas, pois o DDT está associado tanto à falta de cálcio como aos danos no sistema imunitário.

O estudo analisou 49 ovos de gavião Accipiter nisus recolhidos em ninhos abandonados por todo o Reino Unido em 1996, todos já testados para contaminação por DDT. Estes testes revelaram uma variedade de concentrações do químico de 10 a 300 partes por milhão (ppm) em volume, sugerindo ou uma continuação da utilização ilegal do DDT em algumas áreas ou uma preocupante persistência do insecticida no ambiente. Estudos anteriores tinham indicado que uma concentração superior a 200 ppm tornava as cascas finas e moles.

Os investigadores relatam na revista Journal of Applied Ecology uma forte relação positiva entre a intensidade das marcas, tonalidade esverdeada e o DDT. Outras toxinas, como o mercúrio, não afectam o teor de cálcio logo não alteram as marcas, mas também não alteraram a cor do ovo o que já surpreendeu os investigadores.

 

A equipa de Gosler comparou posteriormente as suas amostras com amostras de ovos postos antes de 1930. “Ficámos assombrados pela diferença entre ovos saudáveis e contaminados. Eu nunca teria dado por ela antes mas a partir do momento em que sabíamos o que estávamos à procura estava mais que óbvio", diz Gosler.

A investigação chega em momento oportuno, pois com o aumento da resistência da malária, a Organização Mundial de Saúde (OMS) apoiou a utilização de DDT no interior dos edifícios nas zonas onde a doença atingiu proporções epidémicas. Ainda que vital para controlar a vaga de malária, a situação preocupa muitos conservacionistas. “Não temos ideia de que quantidade de DDT está a chegar às águas residuais ou se está mesmo a ser usado no exterior, independentemente das recomendações da OMS, mas enquanto o DDT por cá andar temos que vigiar os ecossistemas cuidadosamente", diz Rick Watson, director dos programas internacionais do World Center for Birds of Prey de Boise, Idaho.

Normalmente, a única forma de testar a presença de DDT é avaliar a espessura da casca e realizar testes químicos, o que é particularmente difícil porque os fragmentos de casca não duram muito na natureza, pois são comidos pelo cálcio ou dispersos. “Se a cor de um ovo puder ser usada em vez destes testes, vai tornar o seguimento dos pesticidas muito mais fácil", acrescenta Watson.

Gosler está a tentar desenvolver um este quantitativo para o DDT com base nestes factores visuais e espera que se possa criar software para analisar fotografias digitais num futuro próximo. 

 

 

Saber mais:

The world center for birds of prey

Ursos acumulam o que os peixes excretam

Tolerância do DDT tornou moscas mais aptas?

Observadores de aves choram Mae

 

Comentar

Busca Imprimir  

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com