2007-09-03

Subject: Aranha aquática tece o seu próprio tanque de oxigénio

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Aranha aquática tece o seu próprio tanque de oxigénio

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

As aranhas aquáticas sobrevivem debaixo de água graças a um 'tanque de mergulho' rudimentar que tecem com a sua própria seda, revela um novo estudo agora conhecido.

Cientistas da Universidade de Berna, Suíça, determinaram que as aranhas usam estes tanques de mergulho, chamados sinos de ar, como reservatórios, seguindo e substituindo os níveis de oxigénio de forma a permitir aos animais sobreviver debaixo de água.

"O sino de ar das aranhas aquáticas está de certa forma a trabalhar como um pulmão externo", explica o co-autor do estudo Michael Taborsky.

Encontrada em lagos através da Europa do norte e central, a aranha aquática é a única aranha que passa toda a sua vida debaixo de água. Visto que estes pequenos aracnídeos castanhos respiram ar, adaptaram o sistema do sino de ar para recolher oxigénio da atmosfera.

O sino de ar serve para múltiplos propósitos, diz Paul Selden, professor de paleontologia de invertebrados da Universidade do Kansas. "A aranha aquática usa este sino de ar de forma a poder viver longe dos predadores terrestres e como ninho seguro para os ovos e para os juvenis." Para além disso, o sino de ar também é usado para acasalar e para devorar as presas.

Usando pequenos pêlos nas patas e no abdómen, as aranhas aquáticas aprisionam bolhas de ar que retiram da superfície da água, que depois transportam para reservatórios subaquáticos especialmente construídos com seda.

À media que a aranha enche a estrutura de seda com ar, esta assume uma forma de sino e um brilho prateado. A membrana sedosa permite a difusão do oxigénio para o interior e do dióxido de carbono para a água que a rodeia, de forma a que as aranhas não tenham que repor o seu suprimento de ar tão frequentemente.

Mas até à realização deste estudo, os cientistas não sabiam que as aranhas também usavam os sinos para respirar. A investigação será publicada na edição de Outubro da revista Journal of Experimental Zoology Part A: Ecological Genetics and Physiology

Para o estudo, os cientistas examinaram oito fêmeas de aranhas aquáticas, porque as fêmeas passam consideravelmente mais tempo nos sinos de ar que os machos.

A equipa substituiu o volume de gás no sino de ar de cada aranha com oxigénio puro, dióxido de carbono puro ou com ar ambiente para controlo para testar se as aranhas avaliam a qualidade do ar nos sinos. A ideia era que se as aranhas dependem dos sinos de ar como fonte de oxigénio, a sua capacidade de detectar quantidades elevadas de dióxido de carbono e restaurar um equilíbrio é crítica.

As aranhas do teste só reagiram ao tratamento de dióxido de carbono, emergindo mais frequentemente e aumentando o comportamento de construir sinos até que os níveis de oxigénio estivessem suficientemente elevados.

"O facto de as aranhas reagirem da mesma forma perante oxigénio puro e ar normal indica que devem medir o teor de dióxido de carbono nos sinos e não de oxigénio. O aumento da concentração de dióxido de carbono pode significar para a aranha que a estrutura de seda não está a manter a reserva de ar de forma adequada."

 

Isto significa que as aranhas aquáticas não só regulam activamente a qualidade da atmosfera do sino mas também que dependem das bolhas para a sua respiração subaquática. 

A nova descoberta fornece aos cientistas um incentivo para continuar a estudar as aranhas aquáticas, diz Taborsky. Futuras investigações sobre as trocas de oxigénio e dióxido de carbono através da membrana de seda poderão fornecer uma melhor compreensão da biologia destas aranhas extraordinárias. 

Outras Notícias:

Aranhas texanas tecem teia gigante

Clique aqui para ver melhor a teia gigante (@ BBC)Uma enorme teia de aranha foi encontrada no Parque Estadual do Tawakoni, Texas.

Não se trata do trabalho de uma aranha gigante mas sim de milhões de minúsculas aranhas que construíram uma teia com mais duas vezes o tamanho de um campo de futebol.

Os rangers do parque não têm a certeza porque motivo as aranhas uniram esforços, pois consideram esta construção um acontecimento raro.

O entomologista da Universidade Texas A&M John Jackman, referiu à Associated Press que existem relatos de teias semelhantes regularmente, mais ou menos a cada dois anos.

A teia cobre um troço de 180 m de árvores e arbustos no parque e ainda que inicialmente tenha sido descrita como de um ' branco de contos de fada', rapidamente se tornou castanha devido à quantidade de mosquitos que capturou.

Os peritos dizem que a teia pode ser o resultado de aranhas tecedeiras sociais a trabalhar em conjunto ou foi criada por aranhas que se espalhavam a partir de um ponto central.

O superintendente do parque, Donna Garde, convidou especialistas em aracnídeos e em insectos a estudar a teia, que deve durar até ao Outono, momento em que as aranhas vão começar a morrer. 

 

 

Saber mais:

Lake Tawakoni State Park

Fabrico de seda de aranha artificial pode estar para breve

As teias de aranha e a evolução

 

Comentar

Busca Imprimir  

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com