2007-08-02

Subject: Nuvens castanhas intensificam o aquecimento global

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Nuvens castanhas intensificam o aquecimento global

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Pequenas partículas de poluição podem estar a causar o mesmo efeito de aquecimento que os gases de efeito de estufa sobre o sul da Ásia. As nuvens de partículas de aerossóis estão a contribuir para o potencialmente devastador degelo dos glaciares dos Himalaias, dizem os investigadores.

Utilizando dados de um avião automático que sobrevoou as 'nuvens castanhas' da poluição com aerossóis sobre o oceano Índico, investigadores americanos descobriram que a zona da atmosfera com as nuvens está a aquecer 0,25ºC, em vez dos 0,10ºC por década que se verifica ao nível do solo.

Os Himalaias e as nuvens ocupam a mesma zona da atmosfera, logo o aquecimento extra pode estar a acelerar o recuo dos glaciares na zona.

"Este é um tema de conversa importante na Índia porque a maioria da água do norte e centro do país provém dos grandes rios alimentados pelos glaciares dos Himalaias", diz o autor do estudo David Winker, do Langley Research Center da NASA, Virginia.

À escala global, as nuvens de aerossóis resultantes da queima de combustíveis fósseis arrefecem a atmosfera pois reflectem a luz do Sol de volta para o espaço mas as partículas também absorvem radiação solar e já se tinha suspeitado que podiam ser capazes de aquecer certos níveis da atmosfera.

"Está a tornar-se óbvio que o papel dos aerossóis não é tão simples como se pensava", diz Piers Forster, geólogo da Universidade de Leeds. "Eles não arrefecem apenas, estão a originar alterações muito mais complexas e regionais."

Medições directas dos efeitos dos aerossóis são difíceis e as medições por satélite apenas estão disponíveis há 5 anos logo, para investigar a questão, em Março de 2006 Winker lançou 18 aviões automáticos a partir das ilhas Hanimaadhoo nas Maldivas.

 

Três dos aviões voaram sobre o oceano Índico simultaneamente, a uma altura entre os 0,5 e os 3 Km acima do nível do mar. Na segunda metade do mês, quando havia forte carga poluente a atingir a zona vinda do sul da Ásia, a taxa de aquecimento desta banda da atmosfera mais de duplicou.

As nuvens castanhas surgem todos os anos vindas da Ásia e podem cobrir partes do sul da Ásia bem como do Golfo da Arábia e da Baía de Bengala desde Novembro a Abril.

Usando simulações do aquecimento atmosférico desde 1950 até à actualidade, a equipa de investigadores determinou que as nuvens castanhas mais os gases de efeito de estufa contribuíram 0,15ºC para a tendência de aquecimento de 0,25ºC por década nesta zona da atmosfera.

"Os dados mostram que o aquecimento devido às nuvens castanhas chega aos 50% do aquecimento de fundo da atmosfera", diz o líder do estudo, o climatólogo Veerabhadran Ramanathan, do Scripps Institution of Oceanography em San Diego, Califórnia.

Os resultados das simulações são semelhantes às observações, acrescenta ele. "Os estudiosos dos glaciares demonstraram que a região dos Himalaias estava a aquecer um quarto de grau por década, quase o dobro da tendência global de aquecimento."

 

 

Saber mais:

Intergovernmental Panel on Climate Change

Poluição asiática tem impacto a nível global

Uma visão nebulosa da nebulosidade?

Água responsável pela subida das temperaturas europeias

Céus terrestres estão mais límpidos

 

Comentar

Busca Imprimir  

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com