2007-07-25

Subject: Antenas de telemóvel não causam doenças?

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Antenas de telemóvel não causam doenças?

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Não existem evidências de que a exposição de curto prazo aos sinais de uma antena de telemóveis cause doenças, dizem investigadores ingleses que realizaram um estudo com dezenas de pessoas que alegavam ser sensíveis a esses sinais.

Os participantes no estudo não sabiam se estavam ou não a ser expostos a radiações.

Os resultados sugerem que muitos problemas de saúde atribuídos aos retransmissores de telemóveis, incluindo náuseas, dores de cabeça e sintomas de gripe, são provavelmente causados por outro factor, diz Elaine Fox, psicóloga da Universidade do Essex em Colchester e líder da investigação. Ela sugere mesmo que os problemas podem ser psicológicos.

Cerca de 4% dos ingleses alega ser afectado pelas ondas rádio de fontes como as antenas de telefones e outros equipamentos electrónicos.

Fox testou 44 pessoas que alegaram sofrer de doenças diversas em resultado da exposição aos sinais de telemóvel e 114 pessoas que diziam que não. Usaram um laboratório com uma réplica de um transmissor que emitia tanto sinal convencional, como o chamado sinal '3G' de telemóvel.

Quando lhes diziam que o transmissor estava ligado durante 50 minutos, os 'sensíveis' diziam-se ansiosos, desconfortáveis e tensos mas quando lhes era perguntado se o transmissor estava ligado ou desligado, apenas dois dos 44 voluntários 'sensíveis' acertaram seis vezes em seis. Cinco pessoas do grupo de controlo também acertaram.

A severidade dos sintomas relatados pelos voluntários, bem como o seu ritmo cardíaco e sudação, não dependiam de se o transmissor estava ou não ligado, relatam os investigadores.

Este facto sugere que ainda que os sintomas sejam genuínos, podem estar a ser desencadeados pelo conhecimento de que estão perto da antena e não pelas ondas electromagnéticas.

 

Essa hipótese faz sentido dado que o Homem, ao contrário de animais como os tubarões, não tem células sensoriais capazes de detectar as ondas electromagnéticas. Como Fox salienta, não se conhece um mecanismo pelo qual os sinais de telemóvel possam causar doenças.

"Pelo menos com exposição de curta duração não parece que haja efeitos de saúde adversos, diz Fox. Ela admite, no entanto, que é necessário investigar mais aprofundadamente os efeitos a longo prazo para os que vive perto das antenas.

Fox também refere que várias das pessoas 'sensíveis' desistiram antes do fim do estudo, logo o número de voluntários era inferior ao esperado, mas ela considera que 44 são suficientes para afastar, do ponto de vista estatístico, os efeitos de saúde adversos.

"Tinha muitas esperanças que este estudo revelasse algo e surpreende-me que assim não tenha sido", diz Alasdair Philips da Powerwatch, um grupo activista de Cambridge que defende as pessoas 'electrossensitivas'. Ele admite o efeito psicológico mas acrescenta que "se muitos electrossensitivos entram em pânico com os telefones, não impede que o efeito não seja real".

Um desencadear psicológico dos sintomas permanece o mecanismo mais plausível. "Se temos uma dor de cabeça no comboio e vemos alguém com um telemóvel, fazemos naturalmente a associação", diz Fox. 

 

 

Saber mais:

Environmental Health Perspectives

Powerwatch

Utilização intensiva do telemóvel causa danos ao esperma?

 

Comentar

Busca Imprimir  

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com