2007-06-08

Subject: Culturas transgénicas relativamente benignas para os insectos

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Culturas transgénicas relativamente benignas para os insectos

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Culturas modificadas para produzir insecticidas contra pragas são relativamente benignas para outros insectos, sugere a análise de 42 experiências de campo. 

Campos de algodão e milho transgénicos contêm mais insectos não alvo que campos de culturas tradicionais pulverizadas com insecticidas, revela o estudo, ainda que ambos os tipos de campo contenham menos insectos que os que não utilizam nenhum tipo de insecticida.

A descoberta atenua os receios de que as culturas agrícolas modificadas geneticamente de forma a produzirem uma toxina insecticida originária da bactéria Bacillus thuringiensis (conhecida por Bt) poderia estar a matar mais insectos do que os pretendidos, logo causando danos à fauna selvagem. A toxina tem como objectivo actuar sobre grupos específicos de pragas que atacam o algodão ou o milho, por exemplo.

Um debate acerca deste efeito tem estado em curso desde que as primeiras culturas Bt foram apresentadas, em 1996. Testes de acampo recentes descobriram que as culturas Bt têm pouco ou nenhum impacto significativo sobre espécies não alvo mas estudos laboratoriais que mostravam que insectos que alimentavam de pólen de plantas Bt eram mais pequenos e se reproduziam menos preocuparam os cépticos.

"Este tema é muito controverso", diz a ecologista Michelle Marvier, da Universidade de Santa Clara na Califórnia. "Há muitos receios públicos, em parte devidos à falta de transparência dos processos de teste."

Marvier utilizou a Lei da Liberdade da Informação americana para obter os resultados dos testes de campo submetidos para aprovação à Environmental Protection Agency (EPA) com vista à obtenção de licenças.

Os testes de campo, descobriu ela, tinham tendência para utilizar amostras demasiado pequenas para revelar diferenças pequenas mas estatisticamente significativas, logo os investigadores combinaram dados dos estudos de campo que mediam as populações de invertebrados perto de culturas Bt, na esperança de obter uma amostra suficientemente grande para detectar pequenas diferenças.

No total, relatam eles na última edição da revista Science, os campos com culturas Bt continham mais invertebrados que os campos pulverizados com insecticidas mas ambos continham menos insectos que campos sem culturas Bt que não eram pulverizados de todo.

A significância ecológica destes resultados não é clara, dadas as pequenas diferenças entre as populações de invertebrados entre os diferentes tipos de campos, comenta o entomologista Yves Carrière, da Universidade do Arizona em Tucson, mas a abordagem em meta-análise pode dar uma imagem mais clara do que se passa nos campos.

 

"Os dados estão agora a começar a ficar disponíveis de forma a que se possa proceder a este tipo de meta-análise", diz Carrière. "Estou certo que muitos destes estudos irão vir a lume nos próximos anos."

Um passo útil, acrescenta ele, seria focarmo-nos nas espécies e não apenas agrupar os invertebrados por famílias, como fez o estudo de Marvier. Esse tipo de foco pode vir a revelar diferenças que escaparam quando as espécies estavam agrupadas.

A abordagem também pode dirigir-se a outras preocupações acerca das culturas transgénicas, como se promovem o surgimento de novas pragas ou encorajam as ervas daninhas que provocam a morte a borboletas e outros insectos.

Para facilitar estudos futuros, Marvier criou uma base de dados de todos os estudos de campo que a sua equipa encontrou. Os reguladores americanos devem pedir a todos os que se candidatam a licenças para culturas transgénicas que façam o mesmo, tal como acontece com os testes clínicos para medicamentos, diz ela.

A base de dados vai rapidamente precisar de ser actualizada, alerta Carrière. "Este estudo cobre apenas plantas transgénicas que produzem um único tipo de toxina Bt mas esta primeira geração de plantas transgénicas está a ser substituída por plantas que produzem dois tipos de toxina, logo que têm um leque de acção mais largo. Isto ainda não é o fim da história." 

 

 

Saber mais:

Nontarget effects of Bt crops database

Michelle Marvier

Retirada patente OGM ao fim de 13 anos

Culturas transgénicas podem beneficiar o ambiente?

Trigo americano ameaça México

 

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com