2007-05-22

Subject: Viagra cura o jet-lag dos hamsters

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Viagra cura o jet-lag dos hamsters

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

É uma aposta segura que a maioria das pessoas que toma sildenafil, mais conhecido pelo seu nome comercial, Viagra, não estão em busca de uma noite descansada mas parece que o 'pequeno comprimido azul' geralmente usado para tratar a disfunção eréctil também é muito bom para aliviar algumas das formas de jet-lag. Bem, pelo menos em hamsters.

Diego Golombek, da Universidade Nacional de Quilmes em Buenos Aires, Argentina, injectou hamsters com sildenafil e seguidamente avançou o seu calendário dia/noite seis horas, mais ou menos o equivalente a colocá-los num avião de Nova Iorque para Paris.

Os hamsters que tinham recebido uma dose de sildenafil adaptaram os seus ocupados calendários de correr na roda ao novo regime dia/noite 50% mais depressa, relata ele na última edição da revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Apesar dos resultados parecerem aliviar o jet-lag nos hamsters, se o sildenafil terá o mesmo efeito nos humanos permanece em dúvida. Se a droga realmente funcionar em humanos, pode ser mais fácil de usar que a melatonina, a hormona usada para superar o jet-lag e que precisa de diversas doses para ter um efeito significativo.

Os hamsters de Golombek apenas precisaram de uma dose para acelerar o seu ajuste ao novo fuso horário mas a droga foi administrada por injecção e ainda não se sabe se tomar um dos comprimidos azuis terá o mesmo efeito.

E os efeitos secundários do sildenafil? Em hamsters, como em humanos, o sildenafil é, como diz a gíria médica, erectogénico. 

No entanto, Golombek diz que os hamsters foram capazes de se ajustar 33% mais depressa à alteração de fuso de seis horas com doses consideradas suberectogénicas, ainda que admita que "não sabemos se isso será verdade para os humanos".

Nenhum tratamento químico para ajustar o relógio biológico funciona bem se não estiver associado a uma exposição activa ao novo regime de dia/noite. "Ainda temos que sair de manhã e ser activo", diz Martha Gillette, neurobióloga da Universidade do Illinois em Urbana-Champaign. "É o primeiro estímulo para o ajuste."

O sildenafil provavelmente actua tanto sobre a disfunção eréctil como sobre o jet-lag ao elevar os níveis de um composto conhecido por cGMP. O cGMP causa a vasodilatação e regula o relógio interno do corpo em resposta a alterações nos ciclos dia/noite. O sildenafil actua inibindo a enzima que degrada o cGMP e Golombek descobriu que os hamsters tratados com a droga acumulam o dobro do cGMP na região do cérebro responsável pelo controlo do relógio biológico do corpo.

 

Investigações anteriores tinham demonstrado que o cGMP está envolvido no avanço do relógio interno do corpo, como seria necessário fazer quando se voa de oeste para este, mas não no recuo do relógio. Essa ideia é apoiada por este estudo: os hamsters que receberam a droga não demonstraram melhor adaptação quando o ciclo dia/noite foi atrasado seis horas.

Ainda assim, muitas pessoas dizem que é a viagem de oeste para este que é particularmente difícil, diz Golombek. "O relógio interno humano tem um período ligeiramente maior que 24 horas. Quando voamos em direcção a este estamos a tornar o nosso dia inferior a 24 horas, o que é mais difícil para o relógio. Se voamos para oeste, temos um dia mais longo, o que é mais fácil de lidar para o relógio."

O jet-lag é mais do que um aborrecimento, o jet-lag crónico está associado a aumento da incidência de doenças cardíacas, obesidade, diabetes e mesmo crescimento acelerado de tumores. "Quando desregulamos o nosso relógio interno, perturbamos a sincronia entre todos os processos do nosso corpo", diz Lance Kriegsfeld, neurobiólogo da Universidade da Califórnia em Berkeley. "Quando estamos com jet-lag, cada um dos nossos ritmos adapta-se ao novo fuso horário a uma taxa diferente, logo ficam dessincronizados uns relativamente aos outros."

Kriegsfeld compara o resultado a um jogo de voleibol em que um jogador coloca a bola mas não há ninguém para lhe bater.

Neste momento não é claro se o sildenafil pode, com sucesso, repor a sincronia entre todos os processos corporais, diz Kriegsfeld. O facto de os hamsters terem ajustado o seu horário de corridas sugere que o cronómetro central do cérebro se ajustou ao novo regime. "Mas será que tudo fica a par?", pergunta Kriegsfeld, "ou estamos a adiantar algumas coisas de forma a ficarem ainda mais dessincronizadas com os restantes processos?" 

 

 

Saber mais:

National Institute of Mental Health - Biological Clock

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com