2007-05-10

Subject: O fantástico opossum vê o seu genoma sequenciado

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

O fantástico opossum vê o seu genoma sequenciado

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

O opossum cinzento de cauda curta é um óptimo modelo para o estudo de doenças humanas, biologia do desenvolvimento e imunologia. 

Que animal tão pequenino para uma tamanha honra: o opossum cinzento de cauda curta viu o seu genoma completamente sequenciado, juntando-se assim a um grupo de outros mamíferos que inclui o rato, a ratazana, o chimpanzé e, claro, o Homem.

"O opossum é uma comparação maravilhosa para o genoma humano", diz Eric Lander, director do Broad Institute de Cambridge, Massachusetts, e participante no estudo, completado por um consórcio de investigadores americanos, australianos, ingleses e canadianos.

O opossum Monodelphis domestica é uma das cerca de 60 espécies de marsupiais arborícolas sul-americanos. Vive uma vida solitárias nas árvores da floresta tropical da Bolívia, Brasil e Paraguai, parecendo-se mais com um roedor do que com os seus famosos primos australianos. 

Não apresenta a marca registada dos marsupiais, a bolsa, mas tem um período de gestação extremamente curto como eles, cerca de 14 dias. Os jovens completam o seu desenvolvimento permanecendo ligados à mãe.

Marilyn Renfree, director-adjunto do Centre of Excellence for Kangaroo Genomics do Australian Research Council (ARC) de Melbourne, diz que a sequência marsupial é particularmente importante por servir como ponto de referência para a comparação da evolução dos mamíferos. Os mamíferos placentários e os marsupiais divergiram há cerca de 180 milhões de anos.

Descobriu-se que afinal o opossum tem entre 18 e 20 mil genes codificantes, mais ou menos o mesmo que os humanos.

Como os humanos, a vasta maioria dos genes do opossum são idênticos aos dos restantes mamíferos placentários mas alguns são específicos dos marsupiais, nomeadamente genes associados à percepção sensorial, detoxificação e sistema imunitário, genes que devem desempenhar um papel importante na adaptação à vida em nichos ecológicos específicos.

Os investigadores também descobriram que à medida que os mamíferos placentários evoluíram, a maioria das inovações mais recentes têm sido, surpreendentemente, em partes do DNA não codificantes. Este DNA não codificante pensa-se que seja importante na expressão dos restantes genes. "O segredo para obter mamíferos está menos em fabricar novos genes e mais em novas formas de regular esses genes", diz Lander.

 

O opossum cinzento de cauda curta foi escolhido entre todos os marsupiais principalmente porque é vulgarmente utilizado em investigação laboratorial como modelo para o estudo de doenças humanas, biologia do desenvolvimento e imunogenética.

Os recém-nascidos opossum têm uma capacidade espantosa de recuperar de danos na espinal medula, mesmo quando esta foi completamente cortada, e são também usados como modelo para estudar a regeneração do sistema nervoso. Jennifer Graves, directora do ARC Centre of Excellence for Kangaroo Genomics e membro da equipa de investigadores, diz que compreender a biologia molecular por trás deste tipo de recuperação é uma linha de investigação prometedora para tratamentos em humanos.

Para além disso, Graves salienta que o M. domestica é a única espécie para além do Homem que desenvolve melanomas quando exposto à radiação ultravioleta. Descobrir a genética envolvida no desenvolvimento desta forma de cancro seria um avanço no combate da forma humana da doença.

O estudo ajuda a acabar com a confusão vulgar que considera os marsupiais de algum modo arcaicos ou mamíferos de segunda categoria, diz Graves. Em particular, a descoberta de um gene que codifica uma forma única de receptor em linfócitos T não encontrada em mamíferos placentários deita isto abaixo, diz ela. "Mostra que eles têm um sistema imunitário muito complexo mas muito diferente."

Renfree, actualmente a sequenciar o genoma de canguru, diz que está muito entusiasmada com o projecto. "É fantástico e óptimo para o estudo dos marsupiais em geral. Ainda assim, não podemos extrapolar tudo acerca dos marsupiais só com uma espécie, tal como não se pode extrapolar directo do rato para o Homem." 

 

 

Saber mais:

The Broad Institute's opossum genome page

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com