2007-04-30

Subject: Declínio das baleias do Pacífico é um mistério

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Declínio das baleias do Pacífico é um mistério

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

As baleias cinzentas do leste do Pacífico parecem estar em dificuldades mas a causa dessa situação está longe de ser clara, dizem os cientistas.

Os investigadores do grupo conservacionista Earthwatch descobriram que as baleias estão a chegar aos seus terrenos de reprodução, ao largo da costa mexicana, mal-nutridas. O mesmo aconteceu logo após o evento El Nino de 1997/8 que aqueceu as águas e levou ao declínio dos stocks alimentares destes animais.

Os cientistas não têm a certeza se o actual declínio está relacionado com as alterações climáticas ou se faz parte de um ciclo natural predador/presa. 

"Não sabemos bem o que se está a passar", diz William Megill, membro da equipa da Earthwatch e que também pertence às Universidades de Bath no Reino Unido e da British Columbia no Canadá. "Com certeza observamos que este Inverno no México havia muitas baleias esfomeadas mas não há evento El Nino neste momento logo isto é muito preocupante."

Pensa-se que existam entre 15 e 18 mil baleias cinzentas no Pacífico leste, uma população que tem estado de modo geral de boa saúde desde que escapou ao limiar da extinção quando a caça acabou, nos anos 40 do século passado. O seu efectivo pode mesmo ser maior actualmente do que antes da época da caça.

Por contraste, a população do lado ocidental perto da costa russa do Pacífico tem estado em dificuldades desde há muitos anos, devido à combinação de caça e exploração de gás e petróleo. Actualmente não devem aí restar mais que 120 indivíduos.

No lado leste, as baleias migram entre as zonas de alimentação de Verão a norte , que se estendem desde as águas ao largo de Seattle e Vancouver até ao mar de Bering, e a zona de reprodução de Inverno na zona da península Baja, México.

Esta é uma das migrações mais longas de qualquer mamífero marinho e no seu final, nos últimos anos, a equipa de Megill tem vindo a observar animais que chegam magros e exaustos.

"Os animais estão a passar fome, a gordura corporal desapareceu e não se reproduzem como deve ser", relata ele. "Parecem passar o tempo a procurar comida, quando deviam estar a reproduzir-se."

A causa desta alteração não é clara. Uma ligação a alterações climáticas faz sentido pois as águas mais quentes contêm menos oxigénio, tornam-se menos produtivas, o que resulta em menos dos pequenos crustáceos que são o alimento preferido das baleias cinzentas.

Uma sugestão, de Justin Cooke, que trabalha com a World Conservation Union (IUCN) em questões relativas aos cetáceos, é que as baleias cinzentas se tornaram demasiado abundantes. "Nenhuma população de baleias se pode expandir indefinidamente", diz ele, "e estas baleias parecem ter excedido o seu nível histórico, logo devem estar a caminhar para uma queda. Quando havia poucos animais havia comida suficiente mesmo nos anos pobres mas agora só há suficiente em anos bons."

 

William Megill reconhece que a população pode ter atingido um efectivo demasiado alto para ser sustentável.

"Por volta do ano 2000, colegas meus estudaram a presença de minúsculos crustáceos nos bancos de kelp ao largo da costa canadiana e eles eram abundantes mas nos últimos dois anos não se vê nada, nem com câmaras. Pode muito bem ser que as baleias os tenham comido a todos, e o que estamos a observar é o mesmo que acontece aos lobos e aos linces quando devoram demasiada quantidade das suas presas."

Mas ainda assim ele está preocupado com a possibilidade de existirem outros factores em causa, em particular a subida lenta da temperatura média dos oceanos.

O acentuar do degelo árctico anual, também ele, pode estar a privar as baleias de uma rica fonte de alimento, que se acumula nas bordas dos bancos de gelo.

"Estou a olhar para isto e a pensar 'Estou um pouco preocupado com isto'", diz ele, "e precisamos de saber rapidamente o que se está a passar para pormos em acção os adequados planos de gestão. Pode ser bem mais sério do que apenas as baleias cinzentas, elas podem ser apenas um sinal de alerta para as alterações por todo o Pacífico e temos que saber urgentemente o que se está a passar." 

 

 

Saber mais:

Earthwatch

IUCN - grupo especializado em cetáceos

Baleias afastam-se dos caminhos habituais

Inverno com perdas devastadoras para as baleias francas do Atlântico norte

Canções revelam acasalamentos fora de época nas baleias corcunda

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com