2007-04-28

Subject: Construído robot para espiar as baleias

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Construído robot para espiar as baleias

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Um robot submarino que consegue ouvir os chamamentos das baleias, e assim ajudar os navios a evitá-las, foi testado com sucesso nas Bahamas.

O esquema depende de um planador em forma de torpedo que ziguezagueia através do oceano. Pode mergulhar até aos 200 metros abaixo da superfície e dirige-se alterando a posição de um peso da frente para a traseira e vice-versa.

Um microfone colocado no fundo do planador pode captar os chamamentos das baleias, incluindo os sons de alta frequência das baleias de bico, que até agora têm sido difíceis de detectar. O planador regressa periodicamente à superfície para enviar via rádio os dados que recolheu para a base, ou, se esta está demasiado longe, chamar um telefone-satélite e enviar para qualquer parte do mundo.

O novo dispositivo está montado num planador Slocum, construído pela Webb Research, uma companhia com sede em Falmouth, Massachusetts. "Estamos a entrar numa nova era da detecção subaquática", diz Jim Theriault da Defence Research and Development Canada, Dartmouth, que dirigiu os testes. "Podemos colocar um planador nas Bahamas e seguir os seus dados a partir da Nova Escócia."

A esperança é que todas as operações oceânicas que utilizam sonar possam saber onde estão as baleias de forma mais fácil e assim evitar usar os seus equipamentos barulhentos quando estão nas proximidades. Existem provas circunstanciais que o sonar perturba as baleias e muitas delas acabam por encalhar após operações navais com sonar. "Estamos a tentar reduzir o risco potencial ao saber que os animais estão lá", diz Theriault.

As baleias de barbas já têm sido seguidas por planadores autónomos de outras vezes, através de investigações da Woods Hole Oceanographic Institution, Massachusetts, mas é mais fácil ouvir as baleias de barbas, com os seus chamamentos de baixa frequência, que as baleias de bico, diz Theriault. Mais dados terão que ser recolhidos para capturar as altas frequências, o que tem sido uma limitação para os sistemas relativamente pequenos e simples dos submarinos autónomos.

O planador de Theriault tem um processador de sinal capaz de recolher esse tipo de dados. Também pode usar a frequência e o padrão detectados para diferenciar entre espécies. A análise inicial é feita no planador antes de chegar à superfície. "Nesse momento já sabe se é uma baleia de bico ou um cachalote", diz Theriault.

 

Outra grande limitação no seguimento das baleias tem sido a transmissão de dados, os observadores anteriores tinham que seguir os planadores num navio e permanecer à vista da engenhoca. 

Outros métodos de escutar as baleias utilizavam microfones fixos no fundo do mar com um cabo que os ligava a terra. Ser capaz de se deslocar e transmitir dados para todo o mundo é um progresso imenso. "Com este tipo de aparelho pode-se analisar uma área muito maior", diz Peter Liss da Universidade de East Anglia em Norwich e presidente do Inter-Agency Committee on Marine Science and Technology.

Liss sugere que estes planadores podem ser usados em investigação para finalmente se perceber com rigor se o barulho perturba as baleias. "A ligação provavelmente está lá mas ainda não se sabe bem como funciona", diz ele. Como o planador é silencioso e não está a ser seguido de perto por um navio barulhento, pode ser possível recolher dados que provem, ou não, a associação entre o sonar e as baleias que encalham, sugere ele.

O planador em teste usa baterias que duram até um mês mas os planos são criar um aparelho que percorra os oceanos até 5 anos. Para isso, o planador conteria um gel ceroso que muda de densidade com a temperatura, alterando a flutuabilidade. 

O sistema foi testado em Fevereiro pela primeira vez e será novamente testado em Julho. O governo australiano também vai usar o sistema de Theriault em Junho para procurar baleias numa área onde não foram observadas mas se pensa que vivam. 

 

 

Saber mais:

Defence R&D Canadá

Woods Hole Oceanographic Institution

Aumentam casos de cetáceos encalhados

O ensurdecedor ruído dos oceanos

Provas de que sons humanos prejudicam baleias

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com