2007-04-19

Subject: Encontrado fóssil completo das primeiras árvores

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Encontrado fóssil completo das primeiras árvores

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Os paleontólogos descobriram uma amostra completa das árvores mais antigas de que há conhecimentos, fornecendo um vislumbre do que podem ter sido as primeiras florestas da Terra.

Fósseis incompletos destas árvores foram descobertos pela primeira vez numa pedreira no norte do estado de Nova Iorque no final do século XIX e foram classificados no género Eospermatopteris. As árvores devem ter vivido entre os 390 e os 350 milhões de anos. A descoberta, por si própria, era muito entusiasmante mas os fósseis continham apenas os troncos das árvores, logo ninguém sabia realmente qual o aspecto das plantas.

Agora, William Stein, da Universidade de Binghamton em Nova Iorque, descobriram dois fósseis de árvores deste período, um dos quais mostra a forma como a copa se unia ao tronco. Os investigadores relatam as suas descobertas na última edição da revista Nature.

O trabalho encontra finalmente um lar para os fósseis da parte superior da árvore, que já tinham sido encontrados mas não identificados como a copa das Eospermatopteris. Alguns paleontólogos tinham suspeitado que esses fósseis eram de plantas independentes e directamente enraizadas.

A arquitectura das árvores faz lembrar os modernos fetos arbóreos, palmeiras e cícadas. As árvores Eospermatopteris são anteriores à evolução das folhas largas e achatadas, como as das Angiospérmicas actuais. 

Em vez de folhas elas têm o que se pode considerar raminhos fotossintéticos, reunidos em frondes do tipo das dos fetos. "Nessa altura, as plantas não passavam de paus", diz Stein. "Devem ter tido um ar muito estranho, pois esses pauzinhos estavam a funcionar como folhas."

A combinação das copas fossilizadas das árvores com os seus troncos é muito complicado, diz Brigitte Meyer-Berthaud, paleontóloga do Agricultural Research Centre for International Development de Montpellier. "Podemos descobrir muitas partes da árvore mas geralmente não estão unidas." Apesar da base da árvore estar enraizada no solo, as partes aéreas partem-se facilmente e são levadas para longe, explica ela.

 

A compreensão do aspecto que as primeiras árvores teriam pode fornecer uma pista para a ecologia antiga, que moldou os ciclos da matéria na Terra, diz Thomas Algeo, geoquímico da Universidade de Cincinnati no Ohio. Quando as plantas terrestres aumentaram de tamanho, tiveram um efeito substancial nos ciclos geoquímicos.

Cicatrizes ao longo do tronco dos novos fósseis sugerem que as árvores cobriam o chão da floresta com os raminhos que caíam. Algeo acredita que essa manta morta consistia principalmente de lenhina e celulose, que bactérias não seriam capazes de degradar. Isso significa que os ramos teriam que ser degradados por erosão mecânica e não pelo ciclo do carbono.

Ao longo do tempo, a manta morta formada pelas Eospermatopteris e outras plantas pode ter retirado grande quantidade de dióxido de carbono da atmosfera, diz ele, levando a um arrefecimento que desencadeou uma pequena idade do gelo com início há cerca de 360 milhões de anos. "Esse acontecimento foi provavelmente causado pelo enterramento do carbono orgânico associado à evolução das plantas terrestres", diz Algeo. 

 

 

Saber mais:

Binghamtom University New York Paleontology

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com